Havaianas é a marca mais amada pelos brasileiros

Objetivo da pesquisa foi desvendar segredos do bom relacionamento com os consumidores

Economia & Negócios,

30 de abril de 2013 | 17h02

SÃO PAULO - A marca mais amada dos brasileiros é a das sandálias Havaianas, segundo o estudo  ‘Marcas mais Amadas do Brasil’, feito pela agência de conhecimento aplicado Officina Sophia, a pedido da revista Consumidor Moderno.

A pesquisa foi feita com 1.475 entrevistas distribuídas entre as principais regiões do Brasil, com homens e mulheres entre 18 a 59 anos das classes ABC.

O objetivo foi o de desvendar os segredos do bom relacionamento com o consumidor. Nos cinco primeiros lugares das marcas mais amadas se destacam Havaianas, MAC, O Boticário, Nestlé e Rolex.

Segundo a agência, o consumidor brasileiro valoriza o potencial de experiência cultural que uma marca pode proporcionar. Isso significa que ele pode amar uma marca mesmo sem consumir seus produtos.

"No caso do Rolex, por exemplo,  o consumidor vivencia sonhos e fantasias com a marca e aspira o significado que usar um relógio desses pode ter na sociedade",  comenta Roberto Meir, especialista internacional em relações de consumo e varejo.

De acordo com Paulo Secches, presidente da Officina Sophia e responsável pelo estudo, na relação com as marcas há pouco romance. "Se a marca não oferecer produto ou serviço de qualidade, o amor deixa de existir", afirma.

Na pesquisa,  48 atributos foram analisados. Além da qualidade, foram analisados aspectos como lançamento frequente de novidades, capacidade de expressar, dizer algo sobre quem é o consumidor, capacidade de expressar quem é o consumidor para o grupo de convivência e para outras pessoas, capacidade de fazer o consumidor sentir-se bem, capacidade de superar expectativas e presença ativa nas redes sociais.

Os detalhes sobre o estudo "Marcas mais Amadas do Brasil", inclusive com rankings divididos por setores, serão divulgados na edição de abril da revista Consumidor Moderno.

Tudo o que sabemos sobre:
sandáliashavaianaspesquisaconsumidor

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.