Stephane Mahe/Reuters
Stephane Mahe/Reuters

Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Hertz pede proteção contra falência nos EUA devido à pandemia do coronavírus

Grande parte da receita da empresa vem do aluguel de carros nos aeroportos, que praticamente desapareceram à medida que os clientes evitam as viagens de avião

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de maio de 2020 | 03h49

A Hertz, multinacional de aluguel de veículos com mais de um século de existência, entrou com pedido de falência na sexta-feira, 22, depois que seus negócios desapareceram durante a pandemia do novo coronavírus e as conversas com credores não resultaram no alívio necessário.

A empresa disse, em um processo nos Estados Unidos, que entrou voluntariamente para a reorganização da Lei de Falências (capítulo 11 do código americano). Suas regiões operacionais internacionais, incluindo Europa, Austrália e Nova Zelândia, não foram incluídas nos procedimentos dos EUA.

A multinacional, cujo maior acionista é o investidor bilionário Carl Icahn, sofre com as ordens de confinamento do governo - que restringem viagens e exigem que os cidadãos permaneçam em casa. Grande parte da receita da Hertz vem do aluguel de carros nos aeroportos, que praticamente desapareceram à medida que os clientes evitam as viagens de avião.

Com quase US$ 19 bilhões em dívidas e aproximadamente 38 mil funcionários em todo o mundo até o final de 2019, a Hertz está entre as maiores empresas a serem desfeitas pela pandemia. A crise da saúde pública também causou uma cascata de falências ou preparativos do capítulo 11 entre empresas dependentes da demanda do consumidor, incluindo varejistas, restaurantes e empresas de petróleo e gás.

O tamanho das obrigações de aluguel da Hertz aumentou à medida que o valor dos veículos diminuiu devido à pandemia. Em uma tentativa de apaziguar os credores que possuem títulos lastreados em ativos que financiam sua frota de mais de 500 mil veículos, a Hertz propôs vender mais de 30 mil carros por mês até o final do ano, em um esforço para arrecadar cerca de US$ 5 bilhões, de acordo com uma fonte.

Em 16 de maio, o conselho nomeou o executivo Paul Stone para substituir Kathryn Marinello como CEO. A Hertz demitiu anteriormente cerca de 10 mil funcionários e disse que havia uma dúvida substancial sobre sua capacidade de continuar como uma preocupação constante.

Os problemas da multinacional são agravados pela complexidade de seu balanço, que inclui mais de US$ 14 bilhões em dívidas securitizadas. Os recursos provenientes desses títulos financiam as compras de veículos que são alugados em troca de pagamentos mensais que aumentaram à medida que o valor dos carros diminui.

A Hertz também possui linhas de crédito tradicionais, empréstimos e títulos com condições que podem desencadear inadimplências com base na falta desses pagamentos de arrendamento ou no não cumprimento de outras condições, como entregar um orçamento operacional oportuno e reembolsar os fundos emprestados.

A empresa sinalizou anteriormente que poderia evitar a falência se recebesse alívio de credores ou ajuda financeira que a empresa e seus concorrentes solicitaram ao governo dos EUA. O Tesouro começou a ajudar as empresas como parte de um pacote de alívio sem precedentes de US$ 2,3 trilhões, aprovado pelo Congresso e sancionado pelo presidente Donald Trump. / Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.