Hoenig, do Fed, adverte sobre efeito corrosivo da inflação

O Federal Reserve deveestar pronto para elevar as taxas de juros do país na ocasiãooportuna devido ao "problemático" panorama da inflação, disse opresidente do Fed de Kansas, Thomas Hoenig. "Se a inflação subir muito, a economia sofrerá de formadramática", disse Hoenig em comentários divulgados na noite deterça-feira, em uma sessão de perguntas e respostas após umdiscurso no Clube Econômico de Denver. Neste momento, o Fed está concentrado tanto na inflaçãogeral quanto na inflação em alguns setores, diante do queparecem altas sistemáticas dos preços dos alimentos e deenergia, disse Hoenig. Ele deu fortes indícios de que não apoiaria uma novaredução da taxa de juros em um momento em que a inflação maisalta poderia estar se fortalecendo, e diante das expectativasde aumento do crescimento econômico no segundo semestre do ano. Na semana passada, foi divulgado que o crescimentoeconômico dos Estados Unidos no primeiro trimestre do ano foide apenas 0,6 por cento, o mesmo do último trimestre de 2007.Segundo Hoenig, a expansão do segundo trimestre provavelmenteserá inferior a 1 por cento, mas logo deve se recuperar. "Uma forte desaceleração do crescimento colocou a economiaàs portas de uma recessão mas, ao mesmo tempo, as altas dospreços das matérias-primas têm feito com que aumentemconsideravelmente as pressões inflacionárias", disse ele. Ele ressaltou, porém, que existem "razões que sugerem que adesaceleração econômica será de curta duração", incluindo os"agressivos" cortes de juros realizados pelo Fed. "A atual postura flexível deveria ser suficiente paraproteger a economia de uma desaceleração profunda e dos riscosque as perturbações financeiras possam afetar a economia emgeral", disse Hoenig. Hoenig não é em 2008 um dos membros com direito a voto noComitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) doFed, que determina a política monetária do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.