Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Hoje é um dia crucial na reunião da OMC, diz ministro

Para o ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, hoje é um dia crucial na 5ª Conferência Ministerial da Organização Mundial do Comércio (OMC). "Hoje será um dia crucial, pois será avaliada a real possibilidade de redução das grandes diferenças entre o documento conjunto elaborado pela União Européia e Estados Unidos e o texto do G-21", explicou o ministro, que concedeu entrevista por telefone a jornalistas brasileiros. Rodrigues participa da reunião da OMC, que termina domingo, em Cancún, México. Representantes dos países que compõem o G-21 - grupo liderado pelo Brasil, México, Argentina, África do Sul, Índia e China - terão reuniões separadas com representantes dos países africanos, da União Européia e finalmente com os Estados Unidos.A reunião com os africanos acontecerá no período da manhã, às 11h de Cancún (13h em Brasília). "Os países africanos tendem a se associaram ao G-21, ampliando a base negocial", afirmou. Com europeus e americanos, a reunião será à tarde. Rodrigues explicou que as propostas de negociação elaboradas pelo G-21 e pelo presidente do Conselho-Geral da OMC, Carlos Perez del Castillo, "têm praticamente 60% dos pontos em comum". "Há uma diferença de 40%, mas são esses pontos que mudam completamente o documento e as perspectivas da negociação", afirmou."Se ela (a negociação) for mais para o lado da União Européia e dos Estados Unidos, nós (G-20) perdemos uma enormidade. Se for mais para o nosso lado, Estados Unidos e União Européia teriam que ceder muito", afirmou. Os negociadores tentarão acabar com o impasse nesta quinta-feira. Apoio da opinião públicaApesar da complexidade das negociações internacionais, a proposta do G-20 para abertura do mercado agrícola e redução dos subsídios tem apoio da opinião pública. "A opinião pública começa a se manifestar favorável ao G-21", afirmou o ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues. Ele também comemorou o apoio indireto de editoriais de jornais. Na edição de ontem, editorial do New York Times defendeu a posição do Brasil na reunião ministerial da Organização Mundial do Comércio (OMC). O Brasil é um dos líderes do grupo. Segundo Rodrigues, é consenso que o grupo tem importância no comércio internacional. "O grupo representa mais de 60% população do planeta e alguma coisa como 50% do valor da produção agrícola mundial. Em termos comerciais, o grupo representa 25% do comércio mundial de produtos agrícolas. São dados que não admitem nenhum tipo de desprezo", afirmou o ministro. Ele lembrou os discursos feitos ontem na abertura da 5ª reunião ministerial da OMC. Entre os pronunciamentos, Rodrigues destacou o do secretário geral da Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento (Unctad), Rubens Ricupero. "Os discursos foram enfáticos ao estabelecer a prioridade absoluta para a negociação agrícola. Ficou claro que sem a agricultura, os demais setores não avançarão", completou Rodrigues.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.