'Hoje nasce nova ordem financeira mundial', diz Brown

Regulação do sistema financeiro mundial foi um dos principais pontos do acordo de líderes do G-20 em Londres

Da Redação,

02 Abril 2009 | 13h02

A regulação do sistema financeiro mundial foi um dos principais pontos do acordo de líderes do G-20 em Londres. Este era um grande impasse entre Estados Unidos e Europa. Enquanto os americanos não aceitavam uma fiscalização internacional dos bancos, a Europa defendia o controle. Em uma coletiva de imprensa após a reunião de cúpula do grupo em Londres, o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, disse que "hoje nasceu uma nova ordem financeira mundial. Este é o dia em que o mundo se uniu para lutar conjuntamente contra a recessão global".

 

Primeiro-ministro britânico, Gordon Brown: "Hoje nasceu uma nova ordem financeira mundial"

 

Veja também:

som Manifestações contra reunião do G-20 agitam Londres

som Enviado especial do Estado analisa a Cúpula de Londres

especial Especial traz o perfil econômico dos 20 países do bloco

especialEntenda o que está em jogo na Cúpula do G20

especialG-20: expectativa e protestos em Londres

especialVeja o ponto a ponto com todas as medidas

 

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, reforçou a idéia de que os países do G-20 concordaram em realizar reformas profundas na forma como o sistema financeiro internacional está organizado, regulando fundos de hedge e registrando as agências de crédito.

O acordo saiu após duras negociações entre os países que, como Alemanha e França, davam prioridade à regulação do sistema financeiro internacional e os que, como os Estados Unidos, pediam estímulos fiscais para estimular a economia.

 

O premiê britânico assegurou que o G-20 lança uma mensagem clara de que "nesta era global nossa prosperidade é indivisível", e de que "são necessárias soluções globais aos problemas globais". Brown disse que o "consenso de Washington está superado" e que chegou um "novo consenso", em que o comércio mundial deve se converter em um "motor de crescimento".

Mais conteúdo sobre:
G-20Londres

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.