Holding Clube se une à Enjoy.e para lançar shows patrocinados

Empresas querem trazer ao País bandas de nicho, financiadas por marcas que tentam criar experiência ao fã

MARINA GAZZONI, O Estado de S.Paulo

08 de julho de 2013 | 02h04

A Holding Clube, conglomerado brasileiro que reúne oito agências de marketing, fechou uma parceria com a produtora musical Enjoy.e para avançar no ramo de shows e festivais patrocinados por marcas. As duas empresas já trabalham no mesmo endereço há um mês e, em até um ano, a parceria deve evoluir para uma sociedade.

A Holding Clube pretende comprar uma participação na Enjoy.e, que será uma empresa do grupo. "Já passamos do namoro e agora estamos no noivado", compara o CEO da Holding Clube, Marcel Sacco.

Ao avançar na área de entretenimento, a Holding Clube segue um movimento já feito anteriormente por outros grupos publicitários. O grupo ABC, por exemplo, criou a XYZ Live para atuar no ramo em 2011.

A proposta da Holding Clube e da Enjoy.e é diferente de concorrentes como XYZ e Tickets for Fun, que trouxeram ao Brasil grandes shows de artistas como Justin Bieber e Madonna. As duas empresas vão focar em nichos, trazendo bandas que não são tão conhecidas para lotar um estádio, mas que já têm uma legião de fãs no País.

"Vamos criar projetos em parcerias com marcas para trazer bandas que não viriam para cá se não fosse o patrocínio", disse Peu Guimarães, que criou a Enjoy.e há três anos, com a sócia Bianca Freitas. "As marcas querem cada vez mais promover experiências inesquecíveis para os clientes. E a música é um caminho", completou Sacco.

Aproximação. O primeiro passo da Holding Clube no ramo musical começou há um ano, quando lançou a empresa Playbook. A companhia promovia shows com financiamento colaborativo, o chamado crowdfunding, que funciona como uma "vaquinha" entre os fãs para trazer uma banda ao País. A empresa também buscava marcas para financiar o show, reduzindo o custo para os fãs.

No meio do caminho, a Playbook convidou a Enjoy.e para fazer uma curadoria musical e identificar bandas para trazer ao Brasil, além de produzir conteúdo para abastecer os canais de divulgação do evento.

Agora, as duas empresas farão projetos juntas desde o início. O primeiro deles foi o show da banda nova-iorquina Drowners, realizado no último fim de semana, no Rio e em São Paulo, com o patrocínio da marca de uísque Jack Daniel's.

A apresentação faz parte de um projeto maior da marca, batizado de "Jack'n'Roll", que trará quatro bandas ao Brasil em shows para cerca de 1.500 pessoas. A iniciativa começou em setembro de 2012 e consumirá 10% do orçamento de marketing da empresa, segundo a gerente da marca Jack Daniel's no Brasil, Priscilla Gomes.

"Quando o show é menor, a conexão com a marca é mais forte. Estamos realizando um sonho para aquele fã", disse Priscilla. "Em um mega show, o nosso nome se perde no meio de 20 logos de patrocinadores e o fã não associa a experiência à marca."

A estratégia de lançar shows patrocinados não é nova. No Brasil, a Skol fez sua grande aposta no ramo com a criação do festival de música eletrônica Skol Beats, em 1999. O evento foi realizado por dez anos, até ser substituído em 2009 pelo Skol Sensation - neste ano, 40 mil pessoas estiveram no festival.

"O público tem uma imersão total da marca e participa de uma experiência que não existiria se não fosse a Skol", disse a gerente da plataforma jovem da marca, Clarissa Pantoja. Segundo ela, pesquisas feitas pela empresa indicam que o festival melhorou o posicionamento da marca com o público jovem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.