Hollande e Barroso se acertam após troca de farpas

O presidente da França, François Hollande, e o da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, celebraram as pazes ontem, no primeiro dia de cúpula da União Europeia, em Bruxelas. Na semana passada, Barroso protestou - sem citar nomes - contra governantes de esquerda que teriam uma posição "reacionária" na negociação do acordo de livre comércio entre a Europa e os Estados Unidos.

PARIS , O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2013 | 02h06

A crítica era uma alusão à decisão do governo francês de vetar a negociação caso a indústria do cinema do país não seja excluída do acordo.

Ontem, Barroso afirmou em entrevista ao jornal francês Les Echos ser um "amigo sincero da França" e alegou que suas declarações "foram deliberadamente deformadas". Hollande, que teria encontro com o presidente da comissão e também com o presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, também colocou panos quentes na discussão. "Eu desejo que nós tenhamos uma boa cúpula, uma reunião pelo emprego dos jovens, pelo maior controle sobre o mundo das finanças, pelo crescimento e pelo trabalho", disse. "É o que os europeus esperam."

Além dos pontos mencionados por Hollande, os líderes políticos do bloco devem homologar na reunião que se encerrará hoje o acordo selado na madrugada de ontem entre ministros de Finanças da zona do euro sobre a reestruturação e liquidação de bancos em dificuldades, sem o uso de recursos do contribuinte. Depois de mais de seis horas de reuniões, os ministros acertaram que a ordem de pagamento em caso de liquidação será composta por acionistas, credores menos assegurados, detentores de obrigações seniores e, por último, os clientes com mais de € 100 mil.

Clientes com quantias menores continuarão protegidos pela UE. / A.N.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.