Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Honda avança com cautela no mercado latino de carros

A Honda vai expandir aos poucos suaatuação na área de carros de alto padrão na América Latina, semconcentrar esforços no segmento de veículos populares porenquanto, afirmou o diretor de operações da montadora naregião, nesta quinta-feira. A Honda, segunda maior fabricante de veículos do Japão e amaior produtora de motocicletas do mundo, anunciou recentementeum investimento de 100 milhões de dólares na Argentina para tercapacidade para montar 30 mil carros compactos ao ano a partirda segunda metade de 2009, depois de dobrar sua capacidade deprodução de carros no Brasil para 100 mil unidades anuais emrelação a 2003. Mas o chefe de operações da Honda para a América Latina emembro do conselho da empresa, Sho Minekawa, afirmou que afabricante ainda possui um papel modesto na região, vendendo umpequeno número de carros com motores acima de 1 litro, eenfatizou que atacar o segmento de carros populares de altovolume não é possível agora. "As quatro grandes marcas do ramo dominam o setor de carrospopulares", disse ele a um grupo de repórteres numa entrevista,referindo-se à hegemonia da Fiat, Volkswagen, General Motors eFord nos mercados brasileiro e sul-americano. "É um mercado muito difícil para nós. Ainda estamosconstruindo nossos alicerces e vamos fazer isso no segmento dealto padrão", afirmou o executivo. A Honda compete nessa áreacom a Peugeot Citroen, Toyota, Renault e outras marcas. A Honda espera que suas vendas na América Latina cheguem a100 mil carros este ano, um aumento em relação aos 91 mil de2006 e uma parte dos 4 milhões de carros que espera vender nomundo em 2007. Com o aumento da capacidade no Brasil, a empresa esperaaumentar suas vendas na região para cerca de 120 mil unidadesem 2008, disse Minekawa, o que representa menos de 4 por centodo mercado total. Minekawa disse ainda que a estrutura de lucro da Honda naAmérica Latina está se "estabilizando" em boa parte graças àgrande e crescente operação com motocicletas. Mês passado, a companhia contava com cerca de três quartosdo mercado de motocicletas na América do Sul, com uma produçãoacumulada de 10 milhões de unidades produzidas no Brasil desde1976, quando se instalou no país. "Há muito mais espaço para a demanda por motocicletascrescer", disse o executivo.

CHANG-RAN KIM, REUTERS

06 de setembro de 2007 | 08h33

Tudo o que sabemos sobre:
AUTOHONDAINVESTIMENTO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.