Hora de diferenciar Argentina do Brasil, diz Financial Times

O jornal Financial Times destaca, em sua edição desta terça-feira, que não está claro se a nova ministra das Finanças da Argentina, Felisa Miceli, será capaz, ou terá disposição, de controlar a inflação por meio de políticas que estimulem o investimento e produtividade, garantindo assim um crescimento robusto no longo prazo. "Os preços em alta ainda são a maior ameaça. A recuperação econômica da Argentina tem sido sustentada por uma política monetária relaxada, e taxas de juro real negativas têm estimulado a demanda doméstica e mantido o câmbio baixo, ajudando as exportações", informa a publicação. Mas o diário financeiro observa que a inflação atingirá quase 11% neste ano e fortes altas nos juros são necessárias. "A menos que a nova ministra sinalize uma rota monetária mais apertada, pode estar na hora dos investidores diferenciarem mais acentuadamente entre a Argentina e outros créditos da América Latina, como o Brasil."

Agencia Estado,

29 Novembro 2005 | 14h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.