HP aposta em tablet barato

Apesar do nome que tem na área dos computadores, a HP ainda não tinha acertado nos tablets. Chegou a lançar um modelo que, na época, era o mais caro da categoria no Brasil. Seus lançamentos anteriores eram compatíveis com sistemas Windows.

Camilo Rocha - Homem Objeto, O Estado de S.Paulo

26 de agosto de 2013 | 02h05

A primeira notável diferença deste Slate 7, lançado recentemente, é que ele usa a plataforma Android, na versão 4.1 Jelly Bean. Outra característica que distingue o modelo das tentativas anteriores é ser extremamente acessível. Com preço sugerido de R$ 699, o Slate 7 no Brasil não chega a ser a bagatela que é nos EUA (onde custa US$ 170), mas mesmo assim está só um pouco acima da congestionada faixa dos tablets de R$ 500.

É de se pensar se não vale desembolsar R$ 200 a mais no Slate 7 para ter um aparelho com uma série de vantagens.

O acabamento externo é a primeira delas. Com a superfície traseira em material agradável para o toque e moldura em aço inoxidável, o dispositivo tem boa qualidade.

O processador de 1,6 GHz garante a suavidade da operação. O armazenamento é baixo, apenas 8 gigabytes. Mas pode ser aumentado com um cartão MicroSD de 32 gigabytes.

Na parte de imagem, a câmera tem desempenho correto para fotos (3 megapixels) e vídeo (HD 720p). Por outro lado, faltam brilho e resolução na tela.

Um destaque do tablet é o áudio, projetado em parceria com a Beats, famosa fabricante de fones de ouvido.

Pena que venha com poucos aplicativos instalados. Entre eles, está o HP ePrint, que permite enviar arquivos diretamente para uma impressora da HP compatível.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.