finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

HP decide manter unidade de PCs

A HP, maior fabricante de microcomputadores do mundo, anunciou ontem que desistiu de vender ou transformar numa empresa separada sua unidade de PCs. A empresa disse ter chegado à decisão depois de avaliar os impactos estratégico, financeiro e operacional da separação de sua unidade de negócios.

PALO ALTO, CALIFÓRNIA, O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2011 | 03h08

A divisão é responsável por um terço do faturamento da HP, mas é a menos rentável. Meg Whitman, presidente da HP, afirmou que manter a unidade na empresa é o melhor para a companhia, seus clientes, acionistas e parceiros de negócios.

Decidir o que fazer com a unidade foi um dos maiores desafios de Meg Whitman desde que ingressou na empresa em setembro. No mês anterior, o ex-presidente Léo Apotheker havia anunciado que a divisão de PCs poderia ser colocada à venda, em um anúncio descuidado que acelerou sua saída da companhia.

O anúncio de Apotheker provavelmente desvalorizou a unidade aos olhos de potenciais compradores. Muitos analistas especularam que, depois disso, a HP ficou sem escolha, sendo obrigada a manter a unidade.

A separação da unidade seria um desafio, por causa do seu tamanho. Steve Diamond, professor da Escola de Direito da Universidade de Santa Clara, disse que "separar uma unidade de negócios desse tamanho seria como retirar órgãos". "Seria muito doloroso, como dividir gêmeos siameses. Seria muito, muito difícil de fazer e não daria para saber o resultado", disse.

A HP parece ter chegado a uma conclusão parecida. A empresa informou que, em sua avaliação, a unidade tem uma integração profunda a operações essenciais do grupo, como cadeia de suprimentos e compras. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.