finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Hu Jintao inicia giro em busca de influência na América Latina

Presidente chinês visita região para assinar acordos de comércio e investimentos.

Marina Wentzel, BBC

17 de novembro de 2008 | 05h54

O presidente chinês, Hu Jintao, inicia nesta segunda-feira uma giro por países da América Latina para assinar acordos de livre comércio, na tentativa de fortalecer a influência econômica e política da China na região.Até o próximo domingo, Hu Jintao visita Costa Rica, Cuba e Peru para fechar acordos de comércio e investimento e para propagar a política chinesa, além de tentar diminuir a influência de Taiwan na região.A visita ocorre em um momento em que a América Latina ganha importância na estratégia política internacional chinesa. No começo do mês, Pequim divulgou um relatório onde enfatiza a situação de igualdade entre os emergentes e reforça a idéia de que latinos e chineses precisam se unir para desempenhar um papel mais preponderante na diplomacia internacional.Além de buscar o apoio político dos outros emergentes frente aos países ricos, a China também está de olho na região por ter grandes investimentos em recursos naturais e por disputar influência política com Taiwan.Recursos estratégicosNa Costa Rica, nesta segunda-feira, Hu Jintao se encontra com o presidente Oscar Arias para dar início às negociações de um tratado comercial que deverá entrar em vigor em 2010.Na seqüência, Hu segue para Cuba e termina o roteiro no Peru, onde deverá efetivar um acordo de livre comércio com o presidente Alan Garcia e participar da reunião anual do grupo de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (APEC, na sigla em inglês). O crescente interesse chinês nos recursos estratégicos na América Latina levou a relação a ser comparada com a parceria que Pequim tem com a África, onde explora petróleo e minério.No Peru, por exemplo, a companhia Chinalco investiu US$ 3 bilhões na compra da mina de cobre de Toromocho, cuja produção deverá ser totalmente exportada à China para a fabricação de cabos elétricos.Além disso, a expansão da influência asiática na região próxima aos Estados Unidos coloca em questão a hegemonia de Washington.Jiang Shixue, subdiretor do Instituto de América Latina da Academia de Ciências Sociais da China, em Pequim, disse à BBC Brasil que o objetivo chinês é puramente pragmático."A América Latina é importante para a China por causa de seus recursos naturais e por ser um grande mercado", explicou Jiang."A China entende bem que a América Latina é o quintal dos Estados Unidos, então não há razão para a China desafiar a influência americana", afirma o professor.O interesse chinês na região é inegável. Há menos de um mês, a China tornou-se integrante no Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e desde 2004 é observadora permanente na Organização dos Estados Americanos (OAS, em inglês). Ambição políticaDo ponto de vista político a ambição chinesa na região é conquistar a simpatia das nações que ainda apóiam Taiwan e convencê-las a mudar de lado."Taiwan tem umas 24 ou 23 nações que reconhecem a ilha. Destas, 12 estão na América Latina e Caribe", afirmou Jiang.A China quer conquistar o apoio do maior número possível de países na região para limitar as chances de Taiwan de retornar às Nações Unidas.Em 1971, a ilha foi obrigada a ceder a vaga da China para Pequim e desde os anos 90 tem feito campanha para voltar a ser reconhecida como nação-membro.Como na assembléia geral da ONU cada país tem direito a um voto, apesar de economicamente irrelevante, o apoio de pequenos Estados latinos e caribenhos são de extrema importância para que a China consiga frustrar as ambições de Taiwan.República Dominicana, Haiti, Saint Kitts e Navis, Santa Lucia, São Vicente e as Granadinas são alguns dos governos que apóiam a ilha de Taiwan, que é considerada "província rebelde" por Pequim.Tanto Taipé quanto Pequim fazem uso da "política do dólar", segundo a qual assistência financeira é recompensada com lealdade política.A Costa Rica, por exemplo, costumava reconhecer Taiwan, mas mudou de lado no ano passado após Pequim investir US$ 300 milhões em títulos do país e doar US$ 73 milhões para a construção de um novo estádio nacional.A visita de Hu Jintao é também uma mensagem às nações aliadas de Taiwan, para que observem o progresso costarriquenho e reconsiderem suas alianças.ComércioEm 2005, quando esteve pela última vez na América Latina, Hu Jintao, assumiu a meta de fazer as trocas da China com a região chegarem a US$ 100 bilhões até 2010, objetivo que foi alcançado no ano passado quando o comércio bilateral totalizou mais de US$ 104 bilhões.A tendência é de uma intensificação ainda maior das trocas. Somente nos primeiros nove meses de 2008 o valor comercializado já é superior a US$ 111 bilhões.Entretanto, apenas sete países respondem por mais de 80% do comércio sino-latino, segundo estatísticas de 2006 compiladas por Jiang, e por isso há interesse chinês em dar continuidade ao desenvolvimento de maior contato com as nações menores.Com a Costa Rica, por exemplo, o comércio aumentou 33% no último ano, totalizando US$ 2,8 bilhões.Igualmente, com Cuba e com o Peru as trocas também cresceram. Entre 2006 e 2007 houve um progresso de 27% na corrente comercial sino-cubana, que chegou a US$ 2,2 bilhões.Já as trocas com o Peru ultrapassaram os US$ 6 bilhões no ano passado, um aumento de 53% em relação a 2006. Para ambos, peruanos e cubanos, a China é o segundo maior parceiro comercial.Em Cuba, Hu Jintao se encontrará com o líder Raul Castro para assinar novos acordos econômicos e de cooperação política internacional, área na qual ambas nações têm extensa afinidade por compartilharem do mesmo legado comunista.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.