REUTERS/Alexander Bibik
REUTERS/Alexander Bibik

Huawei nega acusações feitas por Departamento de Justiça dos EUA

Gigante chinesa disse não estar ciente de quaisquer irregularidades cometidas por sua diretora financeira, Meng Wanzhou, que foi presa no Canadá em dezembro

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2019 | 04h33

PEQUIM - A gigante chinesa de equipamentos de telecomunicações Huawei negou nesta terça-feira ter cometido quaisquer das violações citadas em um indiciamento dos Estados Unidos que acusa a empresa de roubo de tecnologia e de violação de sanções comerciais.

Nesta segunda, 28, o Departamento de Justiça dos EUA revelou denúncias criminais que acusam a Huawei de fazer esforços extremos para roubar segredos comerciais de empresas americanas, incluindo uma tecnologia de robô da operadora americana T-Mobile usada para testar smartphones.

"A companhia nega que ela ou suas subsidiárias ou afiliadas tenham cometido quaisquer das violações da lei dos EUA alegadas em cada um dos indiciamentos", afirmou a Huawei em comunicado.

Ainda no comunicado, a Huawei disse não estar ciente de quaisquer irregularidades cometidas por sua diretora financeira, Meng Wanzhou, que foi presa no Canadá em dezembro.

As acusações contra a Huawei vieram dois dias antes de EUA e China darem início a uma nova rodada de discussões comerciais em Washington, na quarta e quinta-feira, 30 e 31 de janeiro.

Separadamente, o Ministério de Relações Exteriores da China pediu hoje a Washington que "pare a repressão irracional" contra a Huawei e outras empresas chinesas. /ASSOCIATED PRESS.

Mais conteúdo sobre:
HuaweiMeng Wanzhou

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.