Hubner: não há risco de faltar biodiesel para mistura

O ministro interino de Minas e Energia, Nelson Hubner, afirmou hoje que "não existe risco" de faltar biodiesel no mercado com a entrada em vigor, na próxima terça-feira (1º), da lei que determina que todo o diesel mineral vendido no País contenha 2% de biodiesel (o chamado B-2). "A capacidade instalada de produção de biodiesel é três vezes superior ao que é necessário para atender à exigência legal", disse Hubner.Segundo ele, as usinas instaladas no País têm capacidade para produzir 2,5 bilhões de litros de biodiesel por ano, enquanto a necessidade é de aproximadamente 840 milhões de litros por ano. Hubner disse que as distribuidoras já contrataram 99% do biodiesel que precisarão utilizar nos próximos seis meses. "Podemos ter um ou outro problema isolado, mas a logística de distribuição está muito bem montada", afirmou. Acrescentou que a Agência Nacional do Petróleo (ANP) fiscalizará os postos e as distribuidoras para saber se a mistura de 2% está sendo cumprida. A punição para as distribuidoras e postos que não fizerem a adição do biodiesel é a de não poderem comercializar o diesel mineral.PreçoHubner disse acreditar que a mistura não elevará o preço do combustível, apesar de o biodiesel ser mais caro do que o diesel comum. "Acredito que não haverá aumento de preço para o consumidor. Acho que o mercado vai regular isso sozinho", afirmou o ministro. Observou que o mercado do varejo é livre, mas, segundo ele, o aumento de custo para distribuidores e postos com a compra de biodiesel é inferior às diferentes margens de lucro em uma mesma região e entre diferentes regiões do País."Acreditamos que os postos vão usar o biodiesel como estratégia de marketing e, por isso, não acreditamos em impacto no preço", afirmou Hubner. Acrescentou que a adição de 2% de biodiesel a partir de 1º de janeiro terá um efeito positivo na balança comercial brasileira de cerca de R$ 900 milhões, em 2008, que será proporcionado pela redução na importação de diesel. Em 2007, o Brasil importou 7% do diesel mineral que consumiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.