Hungria recebe pacote de US$ 25 bi para conter a crise

Recursos serão fornecidos pelo FMI, União Européia e Banco Mundial e seguem medidas na Ucrânia e Islândia

Da BBC Brasil,

29 Outubro 2008 | 03h21

A Hungria vai receber US$ 25 bilhões do Fundo Monetário Internacional (FMI), do Banco Mundial e da União Européia para tentar conter os efeitos da crise internacional em sua economia. O acordo segue medidas similares tomadas pelo FMI para ajudar as economias da Ucrânia e da Islândia.     Veja também: Veja os reflexos da crise financeira em todo o mundo Veja os primeiros indicadores da crise financeira no Brasil Lições de 29 Veja o que muda com a Medida Provisória 443 Veja as semelhanças entre a MP 443 e o pacote britânico Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise Dicionário da crise  O pacote, que inclui US$ 16 bilhões do FMI, US$ 8 bilhões da União Européia e mais US$ 1 bilhão do Banco Mundial, é maior que os fundos de US$ 16,5 bilhões oferecido à Ucrânia no ultimo domingo. Segundo o diretor-gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, o pacote foi designado para "restaurar a confiança dos investidores e aliviar as tensões sentidas recentemente pelo mercado financeiro húngaro". De acordo com ele, o pacote inclui medidas para "garantir a liquidez adequada de moeda nacional e estrangeira, assim como altos níveis de capital para o sistema bancário". "Estas políticas se justificam pelo excepcional nível de acesso a recursos do Fundo da Hungria - equivalentes a 1,020% da cota do país no FMI - e merecem apoio da comunidade internacional", disse Strauss-Kahn. Segunda onda O correspondente da BBC na Europa Central, Nick Thorpe, afirma que a Hungria, assim como outros mercados emergentes, foi severamente atingida pelo o que está sendo chamada de segunda onda da crise financeira: a escassez de moeda estrangeira. A moeda húngara, o forint, perdeu quase 20% de seu valor frente ao dólar e ao euro no último mês. O país já tomou emprestado US$ 100 bilhões de recursos estrangeiros. A Comissão Européia afirma que o pacote de resgate depende do comprometimento da Hungria em intensificar seus esforços para diminuir o déficit em suas contas.   Já o Banco Mundial afirmou que vai apoiar a implementação de reformas em áreas como o setor financeiro e o de gerenciamento fiscal.  "Estas medidas devem ajudar na estabilização do país e em sua reestruturação econômica", disse Orsalia Kalantzopoulos, diretora do Banco Mundial para a Europa Central e os países do Báltico.   Na semana passada, o banco central da Hungria aumentou as taxas de juros em três pontos para tentar frear a desvalorização do forint, mas os efeitos não devem ser duradouros. O FMI já concordou em oferecer um empréstimo de US$ 2 bilhões para a Islândia e também negocia com o Paquistão e Belarus a possibilidade de ajuda em meio à crise financeira.       BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.