Hypermarcas vende Assim e Mat Inset para o grupo JBS, por R$ 140 milhões

Mudança. Para reduzir as dívidas, grupo que nos últimos quatro anos havia feito 23 aquisições deu início ao um processo de enxugamento, com o objetivo de concentrar seus negócios em produtos farmacêuticos e de cuidados pessoais, mais rentáveis

RODRIGO PETRY, O Estado de S.Paulo

25 Outubro 2011 | 03h06

A Hypermarcas fechou ontem a venda das marcas Assim (detergente e amaciante) e Mat Inset (inseticida) para a Flora, divisão de produtos de limpeza do grupo JBS, por R$ 140 milhões. Foi a primeira venda de ativos da companhia, que desde sua criação, em 2007, havia feito 23 aquisições.

O negócio envolve as marcas Assim, Sim, Gato, Fluss, Sanifleur e Mat Inset - mas não a marca Assolan, que continua sendo negociada pela Hypermarcas, conforme fontes do mercado. Flora e também companhias rivais, como Ceras Johnson, Química Amparo e Reckitt Benckiser, teriam interesse na marca, de acordo com a mesma fonte.

A negociação fechada ontem também inclui uma fábrica localizada em Itajaí, em Santa Catarina. O contrato prevê também a venda de estabelecimentos comerciais relacionados à produção e comercialização de sabão em pó, inseticidas e de determinados produtos líquidos do segmento de higiene e limpeza.

Caixa. A Hypermarcas informou em comunicado que a venda das marcas à Flora é "um passo importante" dentro do plano estratégico da companhia de gerar caixa.

A empresa tem uma dívida de R$ 2,8 bilhões, conforme o relatório publicado no segundo trimestre. Quase metade dela está em dólar. Na época, a dívida da Hypermarcas era 3,4 vezes seu lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês).

Com a venda, a Hypermarcas quer focar seus negócios apenas em produtos farmacêuticos e de cuidados pessoais (cosméticos).

"O negócio de limpeza demanda muito esforço e investimento em marketing e as margens de ganho são bem menores que as de medicamentos e cosméticos", disse um analista de mercado que preferiu não se identificar. Esse mesmo profissional avaliou que o preço pago pela Flora ficou em linha com as expectativas de mercado.

A corretora Planner avaliou positivamente a venda das marcas à Flora. A empresa citou entre os benefícios diretos à Hypermarcas a melhora das margens consolidadas da empresa.

A Hypermarcas também planeja vender sua divisão de alimentos, que inclui a marca de molho de tomate Etti e uma fábrica em Araçatuba, no interior de São Paulo. Analistas estimam que essa venda e a da marca Assolan podem gerar mais cerca de R$ 200 milhões à empresa.

Foco. Em agosto, a Hypermarcas anunciou uma nova estrutura organizacional, com a divisão em duas unidades: farmacêutica e consumo, para promover o crescimento orgânico das áreas de negócio.

A divisão farmacêutica está fechando fábricas em imóveis alugados e transferindo linhas de produção para uma nova unidade, em Anápolis (GO), já em funcionamento. A economia calculada com essa operação, segundo a empresa, é de R$ 55 milhões ao ano. Os cosméticos, por sua vez, serão transferidos para Senador Canedo, também em Goiás, no ano que vem.

A Hypermarcas, segundo o consultor de varejo Eugênio Foganholo, poderá agora concentrar seus esforços na gestão de marcas que atuam em seguimentos nos quais a competição é mais saudável - os cosméticos e os medicamentos.

"Nos supermercados, a rivalidade é muita e diminui a margem", disse Foganholo. Além disso, afirmou, um portfólio muito aberto gera gastos demais. Antes da venda, a Hypermarcas tinha cerca de 200 marcas.

A Flora projeta um faturamento de R$ 1,2 bilhão para 2011. "A aquisição dessas marcas e ativos é um importante passo para nossa estratégia na divisão limpeza", disse Eduardo Luz, presidente da empresa, em comunicado.

A companhia, que é dona da marca de detergente Minuano, adquiriu em julho o controle das marcas OX, Francis, Neutrox, Karina, Kolene, Hydratta e Phytoderm.

"Com as aquisições, conseguimos oferecer aos nossos clientes um portfólio abrangente de marcas e produtos de qualidade, tanto em cosméticos quanto em limpeza", disse Luz. / COLABOROU LÍLIAN CUNHA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.