Ibama libera a licença para a exploração do campo de Lula

Petrobrás planeja produzir 150 mil barris de óleo e comprimir 8 milhões de metroscúbicos de gás por dia

ANDRÉ BORGES/ BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

08 de outubro de 2014 | 02h05

A Petrobrás recebeu autorização para dar início à exploração de petróleo e gás no campo de Lula, na área de Iracema Sul, localizada no polo pré-sal da Bacia de Santos, no litoral do Rio de Janeiro.

A licença, liberada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), envolve as atividades de produção e escoamento na Bacia de Santos - Etapa 1. A autorização tem validade até outubro de 2018.

O navio-plataforma (FPSO) Cidade de Mangaratiba, segundo informações da Petrobrás, será conectado a oito poços produtores e oito injetores, tendo capacidade para produzir 150 mil barris de óleo e comprimir 8 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia, além de armazenar 1,6 milhão de barris de petróleo.

A sigla FPSO (Floating Production Storage Offloading Unit) refere-se a navios-plataforma que têm capacidade de separar o petróleo do gás e da água durante o processo de produção, além de armazená-lo nos tanques de carga. Depois, essa carga é transferida para navios petroleiros, responsáveis pelo transporte.

O navio Cidade de Mangaratiba já tinha deixado o estaleiro BrasFels, em Angra dos Reis, no dia 16 de agosto, rumo ao Campo de Lula. A exploração será feita a 240 km da costa, em águas com profundidade de 2.200 metros. O número de empregos diretos gerados na operação, de acordo com a companhia, é de 2,5 mil.

O plano da Petrobrás é iniciar a produção de petróleo neste último trimestre do ano. A área de Iracema Sul, na concessão BM-S-11, é operada pela Petrobrás (65%), em parceria com a BG E&P (25%) e a Petrogal (10%). A construção da unidade foi feita pelo consórcio Schahin - Modec, com conteúdo local previsto de 65%.

Paulista. Duas semanas atrás, o Ibama já havia concedido a licença prévia para atividades de produção e escoamento de petróleo e gás no pré-sal na Bacia de Santos, em São Paulo. O empreendimento prevê a instalação até 2017 de 13 novos navios-plataforma nos blocos BM-S-9, BM-S-11 e na área da cessão onerosa, localizados entre 200 e 300 km de distância da costa. O empreendimento tem custo total estimado em R$ 120 bilhões.

A produção acumulada a partir do pré-sal, segundo a estatal, ultrapassou 360 milhões de barris de óleo equivalente. Entre 2010 e 2014, a média de produção diária dos reservatórios avançou de uma média de 42 mil barris por dia para 411 mil barris, registrados até maio deste ano. Esse volume atual corresponde a cerca de 20% do total produzido hoje e, de acordo com as projeções da companhia, chegará a 52% da produção de petróleo até 2018.

Tudo o que sabemos sobre:
PetrobrásGásProdução de petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.