Ibama multa Vale em mais de R$ 5 mi por madeira ilegal

Vale foi punida devido à venda ilegal de cerca de 9.500 m³ de madeira e pelo depósito ilegal de 612 m³ em toras

SOLANGE SPIGLIATTI, Agencia Estado

10 de julho de 2008 | 12h52

A mineradora Vale foi multada na quarta-feira, 9, em mais de R$ 5 milhões pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) devido à venda ilegal de cerca de 9.500 metros cúbicos (m³) de madeira in natura e pelo depósito ilegal de 612 m³ de madeira em tora, no município de Paragominas, no Pará.Segundo o Ibama, além dessas infrações, a empresa não apresentou registro no Cadastro Técnico Federal (CTF) do Ibama, o que custou à empresa R$ 9 mil em multas. A companhia também foi autuada por não ter apresentado ao órgão ambiental responsável os relatórios do CTF referentes aos anos de 2006 e 2007.     Vale   A empresa negou nesta quinta-feira, 10, em comunicado e em teleconferência com jornalistas, que tenha vendido ilegalmente madeira extraída no Pará.   Segundo o diretor de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Vale, Luiz Claudio Castro, o Ibama esperava encontrar um volume de madeira maior do que havia no pátio da companhia porque a mineradora tinha autorização para retirar até 11 mil metros cúbicos de madeira para iniciar a operação da mina de bauxita de Paragominas. No entanto, a Vale afirma ter extraído apenas 2,7 mil metros cúbicos de madeira porque seus cálculos estavam errados. "O Ibama presumiu que o excedente de madeira havia sido vendido, quando na realidade a companhia extraiu menos madeira do que havia estimado", disse.   Para calcular o volume de madeira a ser extraído, a equipe técnica da Vale tomou como amostra uma área que representava 14% do total, o que é um número "acanhado", segundo o executivo. "O ideal seria usar como amostragem cerca de 20% em regiões menos concentradas", afirmou.   Além disso, segundo o executivo, a área usada para amostragem continha uma concentração mais elevada de árvores do que o restante da floresta, o que gerou uma expectativa errônea. Segundo ele, ocorreu a retirada de espécies que não estavam previstas porque a área de amostragem foi feita de forma equivocada. "Foi um erro grave e a companhia já desligou duas pessoas responsáveis por ele", afirmou.   (Com Natalia Gómez, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
IbamaValemulta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.