André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Prévia do PIB do BC sobe 1,14% em junho e acumula alta de 2,33% em 12 meses

No segundo trimestre, o indicador apontou para relativa estabilidade, depois da alta de 1,63% nos primeiros três meses

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2021 | 09h56
Atualizado 13 de agosto de 2021 | 17h01

BRASÍLIA - Em meio à pandemia de covid-19, a atividade econômica brasileira voltou a avançar. O Banco Central informou nesta sexta-feira, 13, que seu Índice de Atividade (IBC-Br) subiu 1,14% em junho ante maio, na série já livre de influências sazonais, uma espécie de compensação feita para comparar períodos diferentes.

Com o número de junho, economistas apontam para uma alta de 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre deste ano - o dado oficial só deve sair no dia 1º de setembro.  “É uma recuperação mais relacionada à mobilidade e à melhora da pandemia do que a outras variáveis econômicas”, disse a economista-chefe do Banco Inter, Rafaela Vitória, que destaca que no segundo semestre deve permanecer um cenário fiscal e político conturbado.

Conhecido como uma “prévia do BC para o PIB”, o IBC-Br serve como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses. Depois de despencar em março e abril do ano passado, durante a primeira onda de covid-19, o indicador passou a reagir, até que a segunda onda da doença provocasse, no início de 2021, novos fechamentos de empresas. Em março, a atividade econômica recuou, mas em abril ela voltou a avançar. Em maio houve novo recuo e, em junho, o indicador voltou a subir.

“Mesmo com o PIB já voltando ao nível pré-crise no primeiro trimestre deste ano, esses setores [de serviços que requerem mobilidade social] ainda estavam em patamares bastante deprimidos, e são eles que estão começando a voltar agora. Isso é o que estimulou a alta da atividade econômica dos últimos meses e deve ser a principal contribuição para o PIB, principalmente no terceiro trimestre”, diz o economista Luka Barbosa, do Itaú Unibanco. 

Apesar das pressões climáticas sobre a agricultura, Barbosa diz que não há risco grande de redução da estimativa pelo lado do PIB agropecuário. Por outro lado, a falta de insumos para a indústria já levou o banco a reduzir a estimativa para o ano - anteriormente, de expansão de 5,8%.

“A conjuntura tem duas forças. Serviços ainda com um espaço para recuperação muito grande, que deve ser compensada, em parte, por uma estabilidade na produção industrial”, diz o economista-chefe do Banco Alfa, Luis Otavio de Souza Leal. “A parte de automóveis tem segurado a indústria no mundo inteiro, tudo em decorrência desse problema nas cadeias de semicondutores”, afirma.

O banco estima alta de 0,20% do PIB no segundo trimestre. Ele afirma que estima alta de 5% para a economia neste ano, mas o número pode ser menor por causa do risco hídrico. " Acho que vamos ter problemas de fornecimento de energia. Talvez não um racionamento oficial, mas um crescente risco de apagão”, alerta o economista.

No primeiro semestre, o IBC-Br acumula alta de 7%, na série sem ajustes sazonais. Em 12 meses, o avanço é de 2,33%.

A projeção atual do BC para a atividade doméstica em 2021 é de alta de 4,6%. No Relatório de Mercado Focus divulgado pelo BC na última segunda-feira, 9, a projeção é de alta de 5,30% para o PIB em 2021. O Focus reúne as estimativas dos economistas do mercado financeiro. / COLABORARAM GUILHERME BIANCHINI E CÍCERO COTRIM

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.