Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

IBGE: alimentos e bebidas puxam alta do IPCA

Os produtos alimentícios voltaram a subir em outubro (0,52%, ante 0,44% em setembro), pressionados pela alta das frutas (7,05%) e foram os principais responsáveis pelo avanço do IPCA de setembro (0,18%) para outubro (0,30%). As frutas representaram a maior contribuição individual (0,06 ponto porcentual) para o IPCA de outubro. Houve aumento também nas carnes (1,83%), batata inglesa (14,98%) e feijão carioca (15,85%). O leite pasteurizado registrou queda de 12,84% nos preços.Os produtos não alimentícios também aceleraram a alta, de 0,11% em setembro para 0,24% em outubro, pressionados por vestuário (0,72%), gasolina (0,36%), gás veicular (1,04%), remédios (0,36%) e telefone fixo (0,11%). INPCO Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a inflação para a população de renda mais baixa (de um a seis salários mínimos), também ficou em 0,30% em outubro, acumulando alta de 3,70% no ano e 4,78% no período de 12 meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.