IBGE: alimentos voltam a pressionar IPCA-15

Os alimentos voltaram a pressionar o Índice de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) em janeiro e subiram 1,96% este mês, variação superior à apurada no índice de dezembro (1,73%). Neste primeiro mês do ano, os alimentos contribuíram, sozinhos, com 0,42 ponto porcentual, ou 60% do IPCA-15 do mês (0,70%). As maiores altas nesse grupo ocorreram no grupo dos feijões (28,34%), tomate (20,91%), óleo de soja (8,11%), frutas (4,97%), ovos (6,13%) e macarrão (1,96%). Segundo o documento de divulgação do IBGE, as carnes (de 8,78% em dezembro para 4,05% em janeiro) e o frango (de 4,92% para 3,99%) continuaram a pressionar o índice, mas mostraram taxas de crescimento menos intensas de um mês para o outro.Por outro lado, alguns alimentos tiveram queda de preço, como a batata-inglesa (-12,89%) e o leite pasteurizado (-1,59%). Outros produtosOs produtos não-alimentícios apresentaram variação de 0,35% em janeiro, abaixo da taxa de dezembro (0,42%), devido, principalmente, ao álcool combustível, cujo preço do litro teve crescimento bem menor: de 11,45% em dezembro para 2,55% em janeiro. A gasolina foi influenciada pelo álcool, passando de 1,06% em dezembro para 0,60% em janeiro.Os artigos de vestuário (de 0,76% para 0,53%) e cigarros (de 3,60% para 1,62%) também apresentaram variações mais baixas em janeiro. Os ônibus urbanos tiveram variação de 1,01%, refletindo parte do reajuste de 5% ocorrido na região metropolitana do Rio de Janeiro, no dia 15 de dezembro de 2007.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.