IBGE apura crescimento de setores voltados ao mercado interno

A gerente da pesquisa mensal industrial do IBGE, Isabella Nunes Pereira, disse que a principal novidade dos dados do setor em maio é a confirmação de uma "reação, ainda que tímida", dos segmentos voltados para o mercado interno. Ela destacou que esses segmentos, como o farmacêutico ou de calçados, começam a se beneficiar do "efeito multiplicador" das exportações, do agronegócio e do crédito, que foram reaquecendo a indústria até proporcionar a reação dos bens de consumo não duráveis."A novidade apresentada neste mês é que o índice de média móvel trimestral já mostra um ligeiro aquecimento dos não duráveis, estimulado pelo efeito multiplicador de setores que vêm crescendo há mais tempo e também por alguma recuperação da renda, especialmente do rendimento industrial", disse.Segundo Isabella, "os não duráveis dependem basicamente da renda, e crescem com a recuperação do mercado de trabalho, do emprego e dos salários. E já começamos a perceber uma ligeira recuperação desse mercado". Os bens de consumo não duráveis registraram aumento na produção de 1,7% em maio ante abril e de 0,9% ante maio do ano passado. No trimestre encerrado em maio, a produção do setor foi 0,5% acima do trimestre terminado em abril.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.