IBGE constata recuperação do mercado interno em junho

A recuperação, ainda que lenta, do mercado interno foi comprovada em vários segmentos da indústria na Pesquisa Industrial Mensal do IBGE de junho. Para a economista do Instituto, Isabella Nunes Pereira, o aumento da produção em setores vinculados a bens semi e não duráveis (alimentos, bebidas, calçados, vestuário, perfumaria, farmacêuticos) e que dependem do mercado doméstico está ocorrendo em conseqüência da melhoria do mercado de trabalho, especialmente de "alguma recuperação" no rendimento dos trabalhadores.Segundo ela, a reação desses segmentos deverá prosseguir no segundo semestre, já que a expectativa é que a recuperação da renda tenha continuidade nos próximos meses. Além disso, a base de comparação do ano passado bastante deprimida deverá favorecer estatisticamente os dados relativos a esses segmentos no segundo semestre. Um dos setores que ilustram a recuperação é o de perfumaria, sabões, detergentes e produtos de limpeza que, na comparação com igual mês do ano passado, registrou um aumento na produção de 19,8% em junho, bem superior aos 9,8% de maio, que por sua vez havia revertido a queda de 6,3% registrada em abril. Os resultados positivos garantiram um crescimento acumulado de 9,6% para este setor no primeiro semestre, na comparação com igual período do ano passado.Setores beneficiadosA indústria têxtil é outro segmento voltado para o mercado doméstico e do grupo de bens semi e não duráveis que vem acelerando a recuperação nos últimos meses. Segundo os dados do IBGE, a produção de têxteis cresceu 19,6% em junho ante igual mês do ano passado, expansão maior do que a registrada em maio (11,2%) e abril (8,5%).O setor, que até maio acumulava queda de 0,19% no indicador de 12 meses, em junho reverteu para crescimento de 1,7%. No ano, de janeiro a junho, a indústria têxtil acumulou aumento de 7,7% ante igual período do ano passado.Outro segmento que está muito vinculado ao desempenho do mercado doméstico, neste caso da categoria de bens intermediários, e que vem mostrando reação é o de material de embalagens de papel, papelão e cartão.Em junho, o setor cresceu 13,25% ante igual mês do ano passado, acelerando sobre os resultados apresentados em maio (10,54%) e abril (3,81%). No acumulado do ano, o setor registrou aumento de 3,8%, mas o bom desempenho não foi suficiente para reverter a queda registrada em 12 meses até junho, de 1,8%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.