IBGE deve apontar inflação de 0,15% em julho, prevê mercado

Com a aproximação da data de divulgação do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de julho, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística na próxima sexta-feira, a pesquisa Focus, do Banco Central, constatou estabilidade na perspectiva para a inflação do mês, em 0,15%. Segundo levantamento divulgado nesta segunda-feira, também se mantiveram estáveis as projeções anualizadas, em 3,74% para 2006 e em 4,5% para 2007. Com isso, as taxas devem encerrar, respectivamente, abaixo e no centro da meta estabelecidos pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), em 4,5% para ambos os anos. Ainda, conforme a pesquisa, houve uma elevação nas expectativas para inflação nos próximos 12 meses (suavizada), que passaram de 4,41% para 4,45%. Foi a segunda alta consecutiva nesta projeção. Para agosto, a estimativa do mercado caiu de 0,32% para 0,31%.A projeção dos analistas para o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) em 2006 teve discreta alta, de 2,31% para 2,32%, enquanto que para 2007 houve redução, de 4,25% para 4,23%. Dólar A pesquisa ainda constatou uma redução da perspectiva de R$ 2,23 para R$ 2,20 para o dólar no final do ano. Em dezembro de 2007, conforme analistas, a expectativa é de redução da moeda norte-americana de R$ 2,35 para R$ 2,34. Já para o final de agosto, o mercado manteve em R$ 2,19 a aposta para a taxa de câmbio. A taxa de câmbio média esperada para 2006 recuou marginalmente de R$ 2,20 para R$ 2,19, mas ficou inalterada em R$ 2,28 para 2007. Selic Depois da revisão para baixo, na semana passada, o mercado manteve em 14% sua projeção para a taxa básica de juros, a Selic (atualmente em 14,75% ao ano), no fim deste ano. Para 2007, a projeção também ficou inalterada em 13%. Tampouco houve movimentação na estimativa para a taxa em agosto, que ficou em 14,50%, ou seja, projetando corte de 0,25 ponto porcentual na reunião do Copom, no fim deste mês.A projeção para a média da taxa Selic em 2006 ficou em 15,28%, enquanto para 2007 houve redução marginal, de 13,59% na semana passada para 13,58%. Conta corrente e investimento O mercado ainda revisou para cima a projeção para o superávit na conta de transações correntes do Balanço de Pagamentos em 2006, que passou de US$ 8,65 bilhões para US$ 8,80 bilhões. Na mesma direção, mas de forma um pouco mais discreta, também foi alterada a projeção para a balança comercial neste ano, que passou de US$ 40 bilhões para US$ 40,05 bilhões. De acordo com a pesquisa, a estimativa para a entrada de Investimentos Estrangeiros Diretos (IED) neste ano também subiu, passando de US$ 15 bilhões para US$ 15,50 bilhões. Para 2007, as projeções para os três indicadores acima ficaram inalteradas. Para o superávit em conta corrente a estimativa continua em US$ 4 bilhões, para a Balança Comercial segue em US$ 35,05 bilhões e para o IED permanece em US$ 16 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.