IBGE: emprego com carteira é recorde no 1º semestre

O índice de formalização do mercado de trabalho foi recorde nas seis principais regiões metropolitanas do País (São Paulo, Rio, Belo Horizonte, Recife, Salvador e Porto Alegre) no primeiro semestre de 2008, destacou o gerente da pesquisa mensal de emprego do IBGE, Cimar Azeredo. A participação dos trabalhadores formais (com carteira assinada e funcionários públicos) no total dos ocupados nas seis regiões subiu de 56% no primeiro semestre de 2007 para 58% em igual período de 2008. Em 2003, pior ano para o mercado de trabalho da nova série histórica iniciada em 2002 pelo IBGE, a parcela dos trabalhadores formais era de 54%.Segundo Azeredo, o aumento da formalidade é positivo para a evolução do mercado de trabalho e para os resultados da Previdência Social. "Não é um aumento que ocorreu de uma hora para outra, é algo que vem se sustentando, ainda que o porcentual de informais ainda seja muito elevado", disse.Juro e inflaçãoA alta dos juros e da inflação ainda não afetou os bons resultados que estão sendo apresentados no mercado de trabalho nas seis principais regiões metropolitanas do País, segundo Azeredo. "Alguns economistas dizem que com a inflação e os juros haverá desaceleração nos resultados do mercado de trabalho, mas a pesquisa mostra ainda um mercado com bastante força, especialmente no que diz respeito à geração de postos de trabalho", afirmou.Apesar do bom desempenho na geração de vagas, Azeredo observou que ainda é muito elevado (1,84 milhão) o número de pessoas procurando trabalho nas seis regiões pesquisadas. Ele destacou também a desaceleração na alta do rendimento dos trabalhadores. "É clara a desaceleração do aumento do poder de compra da população, embora ainda haja alta quando se compara com o primeiro semestre do ano passado", afirmou. Mas, segundo ele, essa perda de ritmo não pode ser atribuída apenas à inflação.

JACQUELINE FARID, Agencia Estado

24 de julho de 2008 | 11h01

Mais conteúdo sobre:
empregoIBGE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.