Preços, renda e crédito influenciam resultado negativo do varejo

Com cenário ruim na economia, famílias estão colocando o pé no freio do consumo, diz IBGE

Idiana Tomazelli, O Estado de S. Paulo

16 Junho 2015 | 10h45

A dinâmica dos preços, da renda e do crédito tem influenciado de forma negativa o desempenho do comércio, afirmou nesta terça-feira Juliana Paiva Vasconcellos, gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em abril, as vendas no varejo restrito cederam 3,5% ante abril de 2014, o pior resultado para o mês desde 2003. No varejo ampliado, a queda nesta comparação foi de 8,5%, a maior para o mês em toda a série.

"Preços, renda e crédito influenciam o desempenho (negativo) do comércio", disse Juliana. A gerente lembrou que a massa de renda real habitual dos trabalhadores, segundo a Pesquisa Mensal de Emprego (PME), recuou 3,8% em abril ante igual mês do ano anterior. Em abril de 2014, o índice apontava alta de 3,6% no mesmo tipo de confronto.

"O resultado de abril se deve claramente à conjuntura. A renda está caindo, o crédito está diminuindo, a restrição orçamentária é muito grande. Então, as famílias colocam o pé no freio do consumo", afirmou Juliana.

Um dos setores mais sensíveis à renda, os hipermercados e supermercados tiveram queda de 2,3% em abril ante abril do ano passado - a terceira seguida nesta comparação. Já os móveis e eletrodomésticos, que dependem de renda e crédito, tiveram recuo de 16,0% nas vendas no confronto interanual, a quinta baixa seguida. "A conjuntura econômica não está favorável ao comércio", reforçou Juliana.

Veículos. A alta de 4,4% nas vendas de veículos em abril ante março não sinaliza uma retomada do setor, afirmou Juliana. Segundo ela, o desempenho do segmento na comparação com abril de 2014, com queda de 19,5% nas vendas, é um retrato mas fiel ao momento da atividade.

"O resultado positivo de veículos não é reação do setor. O comprometimento de renda das famílias e a expectativa de quadro negativo na economia estão afetando diretamente o setor de veículos", contou.

O desempenho de veículos na comparação com abril do ano passado foi o pior para o mês em toda a série histórica, iniciada em 2005. Com isso, o varejo ampliado também afundou. A queda nas vendas ante abril de 2014 foi de 8,5%, também a maior para o mês da série.

Mais conteúdo sobre:
varejoIBGEabrilpreços

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.