IBGE quer lançar índice de inflação nacional

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estuda a criação de um índice de inflação nacional que poderá substituir o atual, feito com base no acompanhamento de preço em apenas 11 locais. O novo índice surgiria a partir da base da Pesquisa de Orçamento Familiar (POF), a primeira de abrangência nacional, que será oficialmente lançada nesta semana. Além disso, o instituto já desenha outra medição nova: a da inflação ao produtor industrial."Estamos analisando a expansão do índice metropolitano. A taxa nacional complementa muito, não tanto pela mensuração da inflação, porque o índice atual é de bom tamanho para este uso. Mas as recomendações para os sistemas estatísticos apontam que seus indicadores devem ser nacionais", disse a diretora de Pesquisa do IBGE, Martha Mayer. A viabilidade do indicador e a proposta de custo serão definidos ao longo deste ano e de 2003.O professor da PUC/RJ Luiz Roberto Cunha avalia que, caso seja criado, o índice de inflação nacional geraria apenas mudanças marginais. "Os preços absolutos poderiam até variar, mas as variações, não", explicou, citando que as regiões pesquisadas são as principais do País. Quanto ao Índice de Preço ao Produtor (IPP), afirmou que "este é fundamental", até como parâmetro ao Índice de Preços do Atacado (IPA), da Fundação Getúlio Vargas (FGV).Os índices de preços do IBGE, dentre eles o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que serve de parâmetro para a política monetária, levam em conta a coleta nas nove principais regiões metropolitanas do País, mais Goiânia e Distrito Federal. A abrangência da inflação tem papel relevante para as contasnacionais, já que, trabalhando com dados que não são nacionais, na prática utiliza-se uma forma de aproximação.POFEm campo há duas semanas, a nova POF será urbana e rural, envolverá 40 mil domicílios e o trabalho de 480 pesquisadores, durante 12 meses. O período de um ano é essencial para captar a sazonalidade do consumo, que pode variar conforme a época do ano. Um avanço tecnológico, destaca Mayer, é o uso de computadores portáteis na coleta e transmissão das informaçõesda pesquisa.Os dados preliminares da POF serão divulgados a partir do fim do ano que vem. Na prática, a nova pesquisa gera uma base que permite atualizar a estrutura de índice de preços, com os novospesos dos gastos familiares. Além de viabilizar a inflação nacional, a POF tem dois importantes efeitos: permite a elaboração de estudos sobre condições de vida e sobre pobreza.O último levantamento de abrangência semelhante feito pelo instituto foi o Estudo Nacional de Despesa Familiar (Endef), entre 1974 e 1975. Em paralelo à pesquisa de orçamento do IBGE, a FGV desenvolve sua POF, com base em 20 mil domicílios, nas 12 principais capitais.

Agencia Estado,

06 de julho de 2002 | 18h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.