IBGE: recuo do IPCA-15 deve-se sobretudo a alimentos

Os preços do grupo de alimentos e bebidas foram os principais responsáveis pela queda da inflação, de setembro para outubro, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15). Os dados do índice divulgado hoje pelo IBGE mostram que o grupo alimentação passou de uma alta de 0,87%, em setembro, para 0,54%, no mês de outubro.Em outubro, o IPCA-15 foi de 0,24%, ante 0,29% em setembro. No acumulado no ano (10 meses), o índice tem alta de 3,40%. No período de 12 meses encerrado em outubro, o IPCA-15 acumula alta de 4,15%.Em outubro, o item leite e derivados teve variação de 4,53%, com contribuição de -0,11 ponto porcentual no índice do mês. Considerando os preços do litro do leite pasteurizado isoladamente, houve queda de 10,20% e a contribuição chegou a -0,14 ponto na taxa de outubro. No ano, entretanto, o leite pasteurizado acumula alta de 36,94%.Açúcar refinado (-3,11%), café moído (-1,29%) e ovos (-0,57%) também registraram queda. Alguns alimentos mostraram desaceleração na taxa de crescimento de preços de setembro para outubro: carnes (de 1,46% para 0,93%) e arroz (de 3,23% para 3,02%).Por outro lado, alguns produtos ficaram mais caros de um mês para o outro, como feijão preto (de 4,76% para 9,09%), feijão carioca (de 5,25% para 8,41%) e farinha de trigo (de 1,36% para 2,70%). As frutas passaram de uma alta de 0,09% em setembro para 8,78%, em outubro, e constituíram o item de maior contribuição no IPCA-15 do mês, com 0,07 ponto porcentual.Nos produtos não alimentícios, cuja taxa foi de 0,16% no IPCA-15 de outubro, destacaram-se as quedas registradas na energia elétrica (-0,71%), seguro voluntário de veículos (-3,61%), álcool (-1,53%) e gasolina (-0,32%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.