coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

IBGE: vendas no 4º trimestre evidenciam efeitos da crise

Os resultados do varejo no último trimestre de 2008 mostraram "evidências dos efeitos da crise sobre o setor", avaliou hoje o técnico da coordenação de serviços e comércio do IBGE, Reinaldo Pereira. Ele destacou que o resultado negativo em dezembro ante novembro representou o terceiro resultado negativo consecutivo ante mês anterior. Além disso, o varejo registrou aumento de 6% no quarto trimestre do ano passado ante igual período do ano anterior, bem inferior as altas apuradas no terceiro trimestre(10,2%); no segundo trimestre (9,3%) e no primeiro trimestre (11,8%).Segundo Pereira, a desaceleração do crescimento no último trimestre do ano passado foi puxada especialmente por atividades vinculadas ao crédito e impediu um aumento de dois dígitos no resultado acumulado do varejo em 2008, que de janeiro a setembro atingia 10,4% e, no fechamento do ano, reduziu o ritmo para uma alta de 9,1%.De acordo Pereira, além da restrição de crédito, a falta de confiança do consumidor, com medo de se endividar e perder o emprego, também afetou o varejo no período entre outubro e dezembro de 2008. Para ele, a partir de janeiro deste ano, os resultados do varejo vão depender dos preços dos produtos, condições de crédito e desempenho do mercado de trabalho. TendênciaO Índice de Média Móvel Trimestral no comércio varejista registrou queda de 0,77% no trimestre encerrado em dezembro ante o terminado em novembro, informou hoje o IBGE. O resultado mostrou uma forte desaceleração em relação aos índices de média móvel apurados em novembro (-0,29%) e em outubro (0,39%). O IBGE divulgou também uma revisão no resultado das vendas de novembro ante outubro de -0,7% para -1%.SetoresAs principais quedas registradas nas vendas do varejo em dezembro ante novembro ocorreram em outros artigos de uso pessoal e doméstico, que inclui lojas de departamento, com recuo de 3,7% nesta base de comparação; e móveis e eletrodomésticos, também com queda de 3,7%. O segmento de hiper e supermercados, produtos alimentícios e bebidas, com maior peso na pesquisa, registrou variação zero em dezembro ante novembro.Na comparação com dezembro de 2007, a principal queda ocorreu em tecidos, vestuário e calçados (recuo de 6,3%), enquanto a maior alta ficou com equipamentos de escritório e informática, com variação de 35,6%. O grupo de hiper e supermercados, produtos alimentícios e bebidas teve aumento de 3,5%, nessa base de comparação.O comércio varejista ampliado, que inclui material de construção e veículos, partes e peças, registrou pior desempenho em dezembro do que o comércio varejista geral (índice oficial e que exclui esses dois segmentos). Na comparação com novembro, o varejo ampliado registrou queda de 1%, ante recuo de 0,3% no varejo geral. Na comparação com dezembro de 2007, o varejo ampliado registrou alta de 1,3%, ante alta de 3,9% no varejo geral.

JACQUELINE FARID, Agencia Estado

17 de fevereiro de 2009 | 10h28

Tudo o que sabemos sobre:
varejoIBGE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.