Stephanie Keith/Getty Images/AFP
Stephanie Keith/Getty Images/AFP

coluna

Carolina Bartunek no E-Investidor: 5 tendências prejudiciais para quem investe em ações

Ibovespa cai depois de adiamento de votação da Previdência na CCJ do Senado

Bolsa também acompanha o movimento do mercado no exterior, onde a aversão ao risco aumentou com a fala de Donald Trump na ONU; dólar tem alta

Antonio Perez e Eduardo Gayer, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2019 | 14h31

Os ativos no mercado financeiro doméstico passaram a ter perdas depois do adiamento da votação da reforma da Previdência na CCJ do Senado e também sob influência do aumento da aversão ao risco no exterior. Acompanhando as Bolsas americanas, o Ibovespa acelerou o ritmo de queda e perdeu a marca dos 104 mil pontos, enquanto o dólar à vista, que rondava a estabilidade, se firmou em alta, chegando a atingir a cotação de R$ 4,1840.

Às 14h24, o Ibovespa - que registrou mínima aos 103.503,53 pontos - tinha queda de 0,90%, aos 103.683,93 pontos. Entre as ações mais comercializadas, os papéis do setor financeiro e da Petrobrás recuavam. O destaque negativo era a Vale PN, com queda de 2,12%, em meio à desvalorização de 3,5% do minério de ferro em Qingdao, na China.

Além disso, a direção da empresa reafirmou nesta terça-feira, 24, que, dado o foco na mitigação dos danos causados pelo rompimento da barragem em Brumadinho (MG), o pagamento de dividendos não é uma prioridade neste momento.

No mercado de câmbio, o dólar era cotado a R$ 4,1742, com alta de 0,07%. No exterior, a moeda americana avança em relação à maioria das divisas emergentes e de países exportadores de commodities. 

O mercado local repercute a notícia de que o Senado protocolou uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a decisão do ministro Luís Roberto Barroso que autorizou uma operação da Polícia Federal nos gabinetes da liderança do governo no Senado e do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do governo na Casa, na semana passada.

Lá fora, os juros dos Treasuries, o título do Tesouro americano, ampliaram o movimento de queda, acompanhando as novas baixas nas Bolsas de Nova York e sugerindo uma migração de investidores do mercado acionário para a renda fixa. A aversão a risco se intensificou desde que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, defendeu em discurso na Assembleia-Geral da ONU uma postura protecionista, voltou a criticar a China e disse que grandes empresas de redes sociais estão adquirindo enorme poder.

Às 13h32, os juros das Treasuries dois anos caíam a 1,644%, enquanto os de dez anos recuavam a 1,652% e os de 30 anos, a 2,106%. Em Nova York, Dow Jones cai 0,47%, S&P 500 recua 0,71% e Nasdaq desce 1,25%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.