Ibovespa: empresas recompram suas ações

As companhias abertas aproveitaram o recente tropeço do mercado para investir em suas próprias ações. No final de outubro, o Índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Ibovespa) ficou muito perto do patamar mais baixo de 2000 e chegou a acumular queda de 20% no ano. Quatro companhias anunciaram programa de recompra de ações: Companhia Vale do Rio Doce, Aracruz, Votorantim Celulose e Papel (VCP) e Bradesco. As regras da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) permitem que as companhias comprem até 10% das ações em circulação, por um período de três meses. Essa aquisição é feita aos poucos, a preços de mercado. A recompra de ações também funciona como um recado aos investidores: as próprias empresas sinalizam que seus papéis estão baratos. Além disso, mostra a confiança da companhia em seus papéis.Resultado da operaçãoAs empresas podem manter as ações em tesouraria, para vendê-las posteriormente ou promover o seu cancelamento. Como o mercado já mostrou alguma recuperação em relação ao momento mais crítico, a decisão das empresas se confirmou um bom negócio. Os papéis da VCP vinham sofrendo forte desvalorização, até que a empresa anunciou o programa de recompra, em 19 de outubro. Dessa data, até o final do mês, os papéis subiram cerca de 15%. Vale do Rio Doce e Aracruz lançaram seu programa de recompra em 26 de outubro, quando o mercado esboçava a reação e também presenciaram melhora nas cotações. Nos três pregões seguintes, as ações da Vale subiram 3,0% e da Aracruz, 4,8%. Vale lembrar que não é possível associar diretamente o programa de recompra à alta das ações. Mesmo porque o Ibovespa avançou 4,52% nesse mesmo período. Na última quarta-feira, foi a vez do Bradesco anunciar que irá recomprar seus papéis no mercado. Só no mês de outubro, as ações do banco despencaram 22,6%. A recuperação do mercado na semana passada não foi suficiente para livrar o Ibovespa das perdas no acumulado do ano. Em 2000, até o final de outubro, o índice mostra queda de 13%. Os dados são da Economática.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.