Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Ibovespa passa a operar em alta com disparada de ações da Vale

Além dos fatores técnicos e do humor no mercado externo, investidores seguem atentos ao estado de saúde do presidente Jair Bolsonaro

Antonio Perez e Maria Regina Silva, O Estado de S.Paulo

08 Fevereiro 2019 | 12h30
Atualizado 09 Fevereiro 2019 | 14h20

Após uma deterioração acentuada no início da tarde desta sexta-feira, 8, por conta de uma onda externa de aversão ao risco, os ativos domésticos esboçaram uma reação na última hora de negócios. O Ibovespa trocou de sinal e passou a trabalhar em alta – com disparada dos papéis da Vale e avanço das ações de bancos –, enquanto o dólar diminuiu o ritmo de valorização.

Às 15h44, o Ibovespa subia 0,32%, aos 94.703,77 pontos. As ações da Vale exibiam alta de 3,41%, a R$ 43,01. Segundo operadores, o fato de o papel da Vale ter descido a um suporte relevante teria estimulado compras. A expectativa de alta do preço minério de ferro e uma recuperação técnica após as fortes quedas nos últimos dias também dariam suporte à mineradora. O Citi revisou suas estimativas para o preço do minério e passou a prever uma cotação média de US$ 88 por tonelada para 2019, ante US$ 63 anteriormente.

Além dos fatores técnicos e do humor no mercado externo, investidores seguem atentos ao estado de saúde do presidente Jair Bolsonaro. O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL/SP) disse pelo Twitter que visitou seu pai no hospital Albert Einstein, em São Paulo, e que a melhora de saúde do presidente "é notória". Mais cedo, o presidente publicou em sua conta no na mesma rede social uma foto onde aparece comendo gelatina e diz que voltou a se alimentar por via oral.

O mercado segue apreensivo com a possibilidade de que o presidente, diagnosticado com pneumonia, permaneça internado por tempo mais prolongado, o que poderia atrasar o envio da proposta da reforma da Previdência ao Congresso.

Segundo fontes ouvidas pelo Estadão/Broadcast, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), avalia montar uma espécie de comissão especial na Casa para acompanhar os debates da reforma durante a tramitação na Câmara dos Deputados. Segundo Alcolumbre e aliados, isso prepararia o Senado para analisar a proposta com mais celeridade.

No mercado de câmbio, às 15h44, o dólar subia 0,36%, a R$ 3,73.

Mais cedo, o clima no pregão brasileiro também era pressionado pela deterioração da perspectiva econômica global, bem como apreensões com a frágil relação comercial entre Estados Unidos e China, principalmente após o presidente norte-americano, Donald Trump, afirmar que não tem planos de se reunir com o colega chinês Xi Jinping antes do prazo definido entre os dois para um acordo.

Para um operador, a alta do índice reflete um ajuste dos últimos dias, mas nada que indique tendência. "Apesar do quadro ruim lá fora, nada mudou por aqui. A expectativa com relação à reforma da Previdência continua. É apenas uma tentativa de recuperar o que perdeu", diz.

Em evento no Rio, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que sistema previdenciário é uma fábrica de desigualdade e que o primeiro grande gasto é o da Previdência, segundo juros e terceiro é a máquina pública. Já o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Joaquim Levy, disse que o banco está pronto para ajudar o governo a levar adiante o projeto de reduzir o papel do estado na economia, e lembrou a recente venda das distribuidoras deficitárias da Eletrobrás, no ano passado, como exemplo de sucesso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.