Dario Oliveira|Estadão
Dario Oliveira|Estadão

Ibovespa fecha acima dos 71.000 pontos com noticiário político

Principal índice da Bolsa é puxado por aprovação de texto da TLP na Câmara e anúncios de privatizações

Paula Dias, O Estado de S.Paulo

24 Agosto 2017 | 17h55

O Ibovespa, principal índice da Bolsa, subiu pelo terceiro dia seguido nesta quinta-feira, 24, fechando em alta de 0,92%, aos 71.132 pontos – o maior patamar desde 12 de janeiro de 2011. O movimento favorável se deve à repercussão positiva no mercado da aprovação do texto-base da Medida Provisória (MP) 777, que cria a Taxa de Longo Prazo (TLP), em votação no plenário da Câmara.

Antes de a matéria seguir para o Senado, no entanto, os deputados ainda votarão os destaques à MP na próxima terça-feira, 29.

"A aprovação da TLP é muito relevante, mas parecia algo bastante complicado, dadas as pressões contrárias à sua criação. A nova taxa vai representar uma importante mudança estrutural na economia, com efeitos na política monetária e no fiscal, com o fim do subsídio da TJLP", disse Vladimir Pinto, gestor de renda variável da Grand Prix Asset.

No final da tarde desta quinta-feira, a agência de classificação de risco Moody's divulgou nota na qual afirma que "a implementação da TLP eliminaria os custos implícitos extensos para o governo contidos nos empréstimos subsidiados do BNDES, com sua convergência gradual para as taxas de mercado".

Ainda segundo a Moody's, a TLP representa um passo no movimento do BNDES em direção a um mercado mais competitivo para financiamento de longo prazo.

Também contribuíram para a tendência positiva do índice o anúncio da privatização de 57 ativos públicos pelo Programa de Parcerias de Investimentos do governo, feito nesta quarta-feira, e a notícia da venda da Eletrobrás, revelada na terça-feira.

As ações ordinárias da estatal de energia elétrica tiveram bom desempenho no pregão, com alta de 3,98%, a R$ 19,61. As preferenciais, por sua vez, subiram 1,26%, a R$ 21,67. Vale ressaltar, no entanto, que os papéis da Eletrobrás sofreram volatilidade ao longo do dia por conta de dúvidas quanto à privatização da empresa, que envolverá um grau de complexidade considerado elevado.

Vale ON subiu 4,12%, apesar da queda dos preços do minério no mercado à vista chinês. A mineradora foi favorecida por análises positivas de bancos sobre a empresa e sobre o mercado de metais.

Petrobras ON e PN avançaram 0,56% e 0,29%, respectivamente, também descoladas dos preços do petróleo, que caíram nas bolsas de Nova York e Londres. //COM INFORMAÇÕES DA REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.