Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

IC-PMN: confiança de pequenas e médias empresas cai

A confiança dos pequenos e médios empresários brasileiros em relação ao primeiro trimestre de 2011 caiu para 74,6 pontos em comparação com 75,5 pontos registrados no quarto trimestre deste ano, segundo o Índice de Confiança do Empresário de Pequenos e Médios Negócios no Brasil (IC-PMN), divulgado hoje.

FRANCISCO CARLOS DE ASSIS, Agencia Estado

15 de dezembro de 2010 | 10h37

Lançado em novembro de 2008, o índice, desenvolvido pelo Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper) em parceria com o Banco Santander, cobre uma escala de zero a 100 pontos. As anotações que ficam no intervalo de zero a 50 pontos revelam falta de confiança do empresariado. A partir de 50 pontos, as anotações são interpretadas como demonstrações de confiança dos empresários em relação à economia do País e seus próprios negócios.

Assim, de acordo com os responsáveis pelo IC-PMN, o resultado para o primeiro trimestre de 2011 indica que, embora dentro da pontuação de otimismo, o empresário de pequeno e médio porte diminuiu levemente sua confiança em relação ao desempenho da economia. Contudo, mesmo com a pequena queda registrada, o IC-PMN referente aos primeiros três meses de 2011 é superior ao índice referente ao primeiro trimestre de 2010, que foi de 68,9 pontos.

Os dados sobre o IC-PMN referente ao primeiro trimestre de 2011 foram coletados entre os dias 29 de novembro e 3 de dezembro, com a participação de 1.200 empresários de todo o Brasil e dos setores de indústria, comércio e serviços. As respostas foram obtidas por meio de pesquisas telefônicas. As questões feitas abordaram a confiança em diversos aspectos, como o ritmo de crescimento da economia, as expectativas em relação ao desempenho do seu ramo de atividade e da própria empresa, envolvendo questões que englobam faturamento, lucro, plano de investimento e contratação.

Regiões

Os resultados do IC-PMN indicam um leve aumento do otimismo nas regiões Norte e Sudeste, no primeiro trimestre de 2011 em relação à pesquisa anterior, que cobria o quarto trimestre de 2010. Na Região Norte, o otimismo subiu de 75,9 pontos para 76,7 pontos. No Sudeste, o otimismo avançou de 74,9 pontos na pesquisa anterior para 75,3 pontos na pesquisa anunciada hoje.

A região Centro-Oeste foi a que apresentou a maior queda de otimismo, com recuo de 75,9 pontos para 72,3 pontos. No Nordeste, o índice que mede o otimismo dos empresários caiu de 77,5 pontos para 74,1 pontos. No Sul, a queda foi menor, com o otimismo passando de 75,3 pontos para 74,1 pontos.

Por ramo de atividade, o IC-PMN registrou variação para baixo no nível de otimismo de 75,9 pontos para 74,6 pontos no setor de comércio. Na indústria, o índice ficou quase estável, passando de 74,8 pontos no quarto trimestre para 74,6 pontos, na pesquisa atual. Nos serviços, o índice caiu de 75,1 pontos para 74,4 pontos.

Tudo o que sabemos sobre:
economiaconfiançaempresasIC-PMN

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.