Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Idec acusa Reader´s Digest de práticas abusivas

De acordo com o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), há várias reclamações de seus associados sobre o marketing agressivo, a dificuldade de cancelar contratos e o não recebimento de produtos comprados pela Internet da Reader´s Digest - empresa multinacional que vende CDs, filmes, livros e revistas pelo correio, como a Seleções. A empresa, por outro lado, nega as acusações, embora não tenha conseguido explicar as reclamações apuradas pelo Instituto. Segundo a Assessoria de Imprensa da Reader´s Digest, não é possível precisar a ocorrência apenas com nome e sobrenome, pois no banco de dados há mais de uma pessoa com as mesmas designações. Muitas vezes, sem registro de compra. Apesar disso, dois nomes ficaram sem resposta: o de Júlia Conti e o de Francisco Redondo. Os outros, segundo a empresa, aparecem diversas vezes. Maria Porto, por exemplo, existem 22.Um dos casos relatados pelo Instituto aconteceu com a mãe da associada Cláudia Conti que recebeu uma mala direta da Reader´s Digest. Segundo a associada do Idec, sua mãe Júlia Conti, de 83 anos, recebeu uma carta dizendo que ela, na condição de "cliente de alta distinção", tinha sido selecionada para participar de um concurso milionário. O título da mala direta perguntava "Você gostaria de ganhar R$ 300 mil?" Entre os prêmios, a empresa oferecia um Astra zero-quilômetro, motos, videocassetes, televisores, relógios de ouro, etc. Para concorrer, bastava comprar algum dos produtos da empresa, como a revista mensal Seleções. Júlia ligou para a filha e Cláudia mandou um e-mail para o Idec relatando o ocorrido. Para o Instituto, a prática é considerada abusiva porque o consumidor deve ser avisado previamente antes de ser incluído num banco de dados. E, segundo determinação do Código de Defesa do Consumidor (CDC), caso não concorde em fazer parte do banco de dados de qualquer empresa, tem direito de ter seu nome excluído. Para isso, é necessário enviar uma carta à empresa. No caso, a Reader´s Digest. Dificuldade em cancelar contratoAinda de acordo com o Idec, o consumidor também tem dificuldade em cancelar o contrato com a Reader´s Digest. Felisberto da Silva, Maria Porto e Francisco Redondo estão entre os associados do Instituto que, mesmo após haver cancelado a assinatura da revista Seleções, continuaram a receber as revistas e os boletos com ameaça de ter seus nomes enviados a uma empresa de cobrança. Dos três casos, apenas o de Maria Porto foi solucionado. Ela enviou uma carta registrada à empresa e avisou que iria ao Procon e ao Juizado Especial Cível denunciar a Reader´s Digest, se não tivesse seu problema resolvido.O Instituto também informa que outra associada teve prejuízo com a empresa. Abigail Souza afirma que há um ano comprou cinco CDs pela Internet e não recebeu a mercadoria. Segundo o Idec, a empresa tem obrigação de oferecer e cumprir o prazo de entrega e, caso a encomenda demore a chegar, o consumidor pode até cancelar a compra e exigir o valores pagos de volta. A Reader´s Digest informa que está aberta a quaisquer esclarecimentos de consumidores e clientes. Endereço, telefone e e-mail da empresa podem ser consultados no pé da página, no link abaixo.

Agencia Estado,

23 de outubro de 2001 | 13h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.