Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Idec considera medidas benéficas

As mudanças no programa de racionamento de energia foram consideradas benéficas pela advogada Maria Inês Dolci, do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec). "Embora o corte de energia continue sendo uma medida arbitrária, ele foi abrandado porque o consumidor poderá ter a oportunidade de reduzir antes de ser punido", disse.A possibilidade de o consumidor não precisar pagar a sobretaxa, se economizar energia de acordo com sua meta, também deverá ajudar a população a seguir o racionamento com maior boa vontade. "Economizar e ainda ser taxado deixou o consumidor indignado porque se tratava de um duplo castigo", diz Dolci.Para ela só será difícil o consumidor de até 100 kW conseguir economizar mais para ter direito ao bônus.

Agencia Estado,

05 de junho de 2001 | 08h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.