Idec testa qualidade de preservativos

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) e alguns órgãos de defesa do consumidor da Argentina, Bolívia e Uruguai divulgaram ontem o resultado de um teste realizado entre setembro de 1999 e setembro de 2000, que avaliou 45 marcas de preservativos comercializados nos três países e também no Brasil. Os resultados brasileiros foram apresentados em março deste ano, mostrando que a oferta no mercado brasileiro melhorou muito nesta década. Das 17 marcas distribuídas no Brasil, apenas uma, importada da Malásia, demostrou problemas de segurança e foi vetada pelo Idec.Os resultados da pesquisa revelaram que o Uruguai possui uma taxa alta de reprovação, na qual 8 entre 18 produtos testados apresentaram falhas de segurança. Na Argentina, todos os 6 produtos avaliados foram considerados seguros, embora existissem problemas de qualidade de embalagem e informação. No entanto, vários produtos adquiridos no mercado uruguaio, com proveniência argentina, foram reprovados em ensaios de segurança. Já na Bolívia, foram avaliadas 3 marcas, das quais apenas uma foi reprovada em ensaios de segurança. PreçosA Bolívia tinha os preços mais baixos do mercado, com uma média de US$ 0,22 por preservativo. O Brasil está em segundo lugar, com um preço médio no mês de março que oscilava entre U$ 0,57 e US$ 0,30. Já no Uruguai, o preservativo custava na média US$ 0,44. Na Argentina eram um pouco mais caros com uma média de US$ 0,46. No Mercosul, apenas o Brasil conta com um programa de certificação obrigatória de qualidade para preservativos. A norma brasileira também é a mais exigente da região. Deve ser finalizada uma nova regulamentação para o mercado sul-americano em reunião a ser realizada em Brasília, entre 20 e 22 de novembro.Dicas para o consumidor Para evitar problemas com o preservativo, o Idec indica o consumidor sempre utilizar preservativos lubrificados. Lubrificação adequada é o fator mais importante para reduzir a freqüência de rupturas deste produto em uso. Não utilizar nunca lubrificantes oleosas pois estes podem danificar o preservativo. Além disso, é essencial guardar o preservativo sempre em lugar fresco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.