Idéia de criar ´Opep do gás´ parece descartada em Doha

O Fórum de Países Exportadores de Gás (FPEG) celebra nesta segunda-feira, 9, em Doha sua 6ª conferência com a intenção de ampliar a cooperação entre seus 15 membros, mas tudo parece descartar que nessa reunião se transforme em realidade a idéia de formar uma "Opep do gás".Vários das titulares de Energia do FPEG destacaram em sua chegada ao Catar a "dificuldade" de pôr em prática a proposta promovida pelo Irã sobre o assunto, que disparou a inquietação dos importadores.O ministro de Energia indonésio, Purnomo Yusgiantoro, disse que na agenda da reunião não existe uma "proposta concreta" para fundar uma organização assim, o que foi confirmado por seu colega argelino, Shakib Khalil.Apesar de não ter descartado que a idéia será discutida em Doha, Yusgiantoro deixou claro mais uma vez que a comercialização do gás é "totalmente diferente da do petróleo".Assim também se expressou o ministro de Petróleo egípcio, Sameh Fahmi, que considerou "pouco viável" a criação de um organismo que controle os preços e as provisões, já que os contratos para o fornecimento do gás são sempre a longo prazo, alguns de até 25 anos.O titular de Energia argelino, cujo país é um dos principais exportadores de gás, não foi muito longe quando afirmou que a criação de uma aliança entre os membros do FPEG similar à Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) é "só uma idéia".Surgimento da idéiaA idéia começou a aparecer depois que em agosto de 2006 as companhias russa Gazprom e argelina Sonatrach, os principais fornecedores de gás natural à Europa, assinaram um acordo de associação entre eles.Ganhou mais força em janeiro, quando o líder supremo iraniano, Ali Khamenei, propôs claramente a possibilidade de formar uma aliança entre os exportadores do gás, proposta que o presidente russo, Vladimir Putin, qualificou de "interessante".Kazempur Ardebili, um alto assessor do ministro da Energia iraniana, reiterou o apoio de Teerã a uma aliança que "defenda os interesses dos produtores e os consumidores", enquanto destacava a necessidade de chegar a um consenso sobre o assunto entre os membros do FPEG.Ardebili reafirmou que seu país tenta convencer os integrantes do fórum, especialmente os principais - Rússia, Catar, Venezuela e Argélia -, da necessidade de formar "uma organização, agência ou assembléia dos exportadores de gás"."A cooperação entre os produtores ajudará de forma efetiva a manutenção da segurança e a estabilidade do mercado do gás, além de aumentar os investimentos no setor", disse Ardebili, segundo a agência iraniana de notícias Irna."Mas sem o consenso, semelhante organização não existirá", acrescentou.ConsumidoresOs consumidores consideram que uma organização similar à Opep significaria um controle direto dos exportadores da provisão e dos preços no mercado.O ministro de Energia russo, Victor Jristensko, cujo país é o principal exportador mundial de gás, deixou claro na sexta-feira passada que "não será assinado em Doha nenhum acordo para a criação de um cartel que regule os preços do gás".O FPEG, criado em 2001, é integrado por Rússia, Irã, Argélia, Indonésia, Brunei, Venezuela, Malásia, Nigéria, Catar, Omã, Trinidad e Tobago, Emirados Árabes Unidos, Egito, Líbia e Bolívia.Esses países possuem 70% das reservas mundiais de gás e controlam mais de 40% do que se comercializa anualmente no mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.