Identificada corretora envolvida em fraudes no Santander

A polícia já descobriu o nome da corretora de São Paulo que dava sustentação para as operações fraudulentas realizadas no mercado financeiro por três ex-operadores do Bando Santander. A prisão preventiva do dono da corretora, que está foragido, foi decretada pela Justiça na segunda-feira, mas o seu nome é mantido em sigilo.A polícia também não divulgou os nomes dos operadores envolvidos. A assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública informou, no início da noite, que os três continuam presos no 77º Distrito Policial de São Paulo. A Secretaria também não confirmou os valores de R$ 3 milhões, que, segundo a diretoria do Santander, seria o montante total das operações irregulares.As irregularidades foram descobertas pelo Santander em dezembro. O banco demitiu por justa causa os operadores e os denunciou à Polícia. O caso foi investigado, desde então, pelo delegado Rui Ferraz Fontes, da Delegacia de Roubo a Bancos do Departamento de Investigações Sobre o Crime Organizado (Deic). Na quarta-feira eles foram presos.O Santander informou que as irregularidades ocorriam na "mesa de balanço" do banco, onde são contabilizadas as entradas e saídas dos recursos movimentados durante o dia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.