Ideologia neoliberal está sendo desconstruída, diz sociólogo

O sociólogo e embaixador Luciano Martins disse hoje que está havendo uma "desconstrução das ideologias econômicas neoliberais que prevaleceram nas últimas décadas". Isso acontece por causa dos resultados e o questionamento do papel do FMI e do Banco Mundial. Martins, que participa de uma seminário no BNDES, no Rio, defendeu que é necessário pensar em outro modelo para as políticas econômicas, "sepultando o lixo ideológico que as contaminou nos últimos anos ou estamos condenados ao baixo crescimento".Ele criticou também "os estranhos e influentes critérios das agências de rating internacional" e citou o secretário-executivo da Cepal, Jose Antonio Ocampo, para dizer que esses critérios "oscilam da exuberância irracional para o pânico irracional".Martins lembrou, sem citar o Brasil, que um país precisava investir para evitar uma crise energética, mas foi impedido pelo FMI, que considera investimento como gasto. Em seguida, comparou a situação com a de empresas norte-americanas "que fizeram o oposto: contabilizaram como investimento, ao que parece, eram gasto", provocando risos na platéia.Resumindo as falas de vários participantes do seminário, Martins observou que os palestrantes concordam que os países que seguiram o receituário neoliberal "tiveram um medíocre desempenho econômico". Ele relembrou a observações do economista Dani Rodrik de que "os três países bem sucedidos ultimamente - China, Vietnã e Índia - foram os que violaram a ortodoxia ideológica do fundamentalismo de mercado".

Agencia Estado,

13 de setembro de 2002 | 16h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.