Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

IED cresce 87,7% no semestre, descontando entradas pontuais

Direto da fonte

Sonia Racy, sonia.racy@grupoestado.com.br, O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2024 | 00h00

É fato que o recorde histórico do Investimento Estrangeiro Direto (IED) em junho está diretamente relacionado a fatores pontuais, como a entrada de US$ 5 bilhões de recursos da Arcelor/Mittal para pagar os acionistas minoritários, a compra da Serasa e um aporte do Deutsche Bank no Unibanco. Sem esses recursos, o IED de junho se resumiria a US$ 3 bilhões. Pouco? Nem tanto. Também é fato que nos primeiros seis meses do ano, descontadas estas operações pontuais, o IED cresceu, em termos porcentuais, nada menos que 87,7%. O que significa que a média mensal do primeiro semestre de 2006, que era de US$ 1,2 bilhão, passou para US$ 2,3 bilhões. ''''É prova que o Brasil, definitivamente, entrou de maneira firme, mesmo que atrasado, nas listas de atrações de investimento'''', destaca o ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda Júlio Gomes de Almeida. Ele acredita que o Brasil poderá fechar 2007 com um IED de US$ 30 bilhões, muito próximo ao que aconteceu quando das privatizações brasileiras.Mas este desempenho resultou de ''''compras''''? Não exatamente, nas contas de Gomes de Almeida. Neste primeiro semestre, o IED veio dividido. Tirando operações metalúrgicas em geral, 55,8% dos recursos vieram atrelados ao aumento da capacidade da indústria de produzir. ''''Isto é muito importante, pois mostra que a oferta vai crescer e deve cobrir a demanda, minimizando riscos inflacionários'''', diz.Mas por que só agora, se os outros emergentes estão nesta ''''listagem'''' de fluxo de investimento direto de maneira fortíssima desde 2003? ''''Primeiro, porque o IED que vem para o Brasil é pró-cíclico. Estamos finalmente crescendo e, portanto, atraindo capital. E, segundo, por causa da estabilidade econômica'''', enumera o economista, alertando, porém, que, com esse fluxo, virá uma onda de ''''cobiça'''' sobre empresas brasileiras. ''''Os investimentos diretos e as operações de fusões e aquisições andam juntos, são parte de um mesmo processo. Prevejo grande pressão de compra de empresas brasileiras.'''' E elas resistirão? ''''Isto eu já não sei.''''IMPRESSÃO DIGITAL No Brasil, os investimentos têm registrado nos últimos sete trimestres uma alta acima do crescimento do PIB, conta o economista Sérgio Werlang, diretor-executivo do Itaú. ''''Trata-se de um indicador claro de que está havendo reposição da capacidade industrial'''', destaca.Isso significa menor pressão inflacionária e, portanto, menores juros? ''''O que o BC deve estar observando hoje é se a reposição está sendo feita com rapidez suficiente para que não haja excesso de demanda impactando na inflação. O que se vê, até agora, é que o impacto nos preços tem se dado de forma lenta'''', observa o executivo.NA FRENTEVIAJAR? O Banco Fibra lançou pacote especial de crédito consignado para turismo. Poderão captar funcionários e aposentados.TROVÃOAlan Greenspan, ex-presidente do Fed, fala hoje, em evento em Nova York, sobre tema sensível.O mercado de imóveis nos EUA.BOA ESCOLHAA Federação do Comércio do Estado de São Paulo lança oficialmente dia 26 seu Conselho de Estudos Ambientais.A ser presidido pelo professor José Goldemberg.FATURANDOEntre os que comemoram o dólar baixo está a Associação Brasileira dos Importadores de Produtos Populares.As vendas do setor crescerem 8% nos seis primeiros meses do ano e a entidade aposta num crescimento entre 10% e 15% no ano.QUEM VEMO economista Charles Calomiris, especialista em crise bancária, Bernard Black, da Universidade do Texas, e John Campbell, da Universidade de Harvard, participam, a partir de quinta-feira, de encontro da Sociedade Brasileira de Finanças, organizado pelo Ibmec/SP.PONTO DE VISTAHumberto Barbato, da Abinee, já reservou vaga, dia 9, na audiência pública da Comissão de Finanças e Tributação da Câmara, que trata da MP 380, aquela que cria regime de tributação unificado para produtos do Paraguai.Vai brigar pela inclusão de produtos de TI, informática, componentes elétricos e eletrônicos, pilhas e baterias na lista de produtos que ficam de fora do novo regime.POSTOO Beach Park, do Ceará, vem registrando, em julho, ocupação média de 90% e crescimento de 17% no faturamento, com relação a julho de 2006.Dia 9, inaugura escritório em São Paulo.RODANDOA VPJ Eventos, promotora do Jaguariúna Rodeo Festival, está expandindo seus negócios. Em agosto, lança o Goiânia Rodeo Festival.CAUTELAAs desconfianças em relação à questão do mercado de crédito dos EUA, decorrentes da crise no segmento subprime, devem manter os investidores ressabiados, segundo Newton Rosa, economista-chefe da Sul América Investimentos.Para ele, essa postura cautelosa deve se traduzir em elevação dos prêmios de risco país, afetando Brasil e emergentes em geral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.