Iedi: alta da Selic deve reduzir crédito e investimentos

A decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, de elevar a Selic em 0,50 ponto porcentual ontem, para 11,75% ao ano, e a indicação de que outras elevações na taxa básica de juros virão devem fazer com que os investimentos e o volume de crédito caiam no segundo semestre do ano. A perspectiva foi traçada hoje pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) por meio de nota intitulada "Perspectivas da economia de antes da reorientação monetária"."Disso (a elevação dos juros) deve resultar uma revisão dessas decisões e é de se esperar que o investimento na economia, cujo crescimento em termos reais gira em torno de 18% neste primeiro semestre de 2008, recue e que o crédito, cuja evolução é superior a 20% em termos reais, também regrida na segunda metade do ano", analisaram os técnicos do instituto.A intensidade dos processos ainda não pode ser precisada, na opinião dos analistas do Iedi, mas não há duvida de que não constituirão um mero ajuste na margem no ritmo de crescimento da demanda e do Produto Interno Bruto (PIB). "O Banco Central deve vir a público para delinear de forma mais precisa o que pretende com todo esse processo da revisão da política monetária de forma a reduzir as incertezas que o ''day after'' (dia seguinte) instaurou nas avaliações de empresas e bancos", argumentaram. "Incerteza é mais prejudicial à economia do que qualquer outra coisa", continuaram.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.