IEDI avalia que alta do PIB é positiva, mas não deve se manter

O crescimento de 1,4% do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre do ano ante o período anterior é positiva, na opinião do Instituto de Estudos para Desenvolvimento Industrial (Iedi). Porém, destacou o diretor executivo da entidade, Julio Gomes de Almeida, o crescimento é possivelmente um "ponto fora da curva".Em outras palavras, o PIB foi puxado pela indústria (3%) que, por sua vez, tem reagido de forma positiva ao aumento da renda das famílias, do crédito ao consumidor, do investimento e das exportações. O ponto fraco dessa relação, entretanto, é que são fatores especiais, e não estruturais, do PIB. Isso quer dizer que "não há garantias que esses fatores venham a se repetir nos próximos trimestres do ano".Investimentos não devem se manterGomes de Almeida destacou o "desreprezamento" dos investimentos no segundo trimestre do ano (4,3% sobre o período anterior). Os investimentos estavam engavetados porque a indústria preferiu ter mais certeza sobre o comportamento dos juros antes de aplicar seus recursos em produção.Mas, para os próximos meses, a tendência não deve se manter, já que os empresários preferem saber onde a crise levará antes de fazer novos investimentos. "Se observarmos os fatores, veremos que é fácil duvidar da sustentabilidade do crescimento", disse Gomes de Almeida.

Agencia Estado,

31 de agosto de 2005 | 13h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.