finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Iedi defende redução da Taxa de Juros de Longo Prazo

O diretor executivo do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), Julio Sérgio Gomes de Almeida, disse hoje que o governo precisa reduzir a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) para pelo menos 5%, se quiser realmente incentivar o investimento produtivo no País. A TJLP está hoje em 9,75% ao ano.Segundo Gomes de Almeida, a definição da TJLP também não pode ser baseada na evolução do risco País ? taxa que mede a desconfiança do investidor estrangeiro na capacidade de pagamento da dívida do País ?, como ocorre hoje. "A TJLP não tem nada a ver com o risco Brasil", criticou.Pela sistemática atual, a TJLP é fixada a cada três meses pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), com base numa combinação da meta de inflação pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 12 meses e do risco País.Para o dirigente do IEDI, as medidas de desoneração do investimento adotadas recentemente pelo governo são "pífias". "A política econômica do governo precisa de uma vez por toda escolher de que lado está: do investimento produtivo ou financeiro", cobrou o diretor do Iedi. Para ele, o governo tem que desonerar totalmente o investimento produtivo, que deve ter "imposto zero" a exemplo de outros países.Problemas futurosEle concordou com o alerta feito hoje pelo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, para o risco da forte expansão da demanda interna comprometer os avanços do comércio exterior brasileiro dos últimos anos. "A tese do ministro é uma verdade", disse ele. "Vamos ter produtos para exportação daqui a um ano, daqui a dois anos?", questionou o executivo.Por isso, destacou ele, a importância do governo incentivar o investimento no setor produtivo. "Se não aumentarmos agora o investimento, o País vai pagar um preço", advertiu. Segundo ele, esse preço poderá ser maiores importações, inflação, com aumento dos preços internos, e menores exportações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.