Iedi revisa para cima projeção de crescimento industrial

O Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) revisou para cima a projeção de crescimento da produção industrial neste ano, de 6,5% para 7%, após a divulgação dos dados de setembro do IBGE. Caso a projeção seja confirmada, será o maior aumento registrado desde 1994 (7,6%). Segundo nota do Iedi, a acomodação na produção divulgada nesta quarta-feira não resulta de limites ou gargalos industriais ou do aumento da taxa de juros. "O que deve ser observado é que é ainda cedo para que o impacto do aumento dos juros seja sentido. Quanto aos gargalos da indústria, a consideração pertinente é que este não é um fenômeno generalizado, estando localizado em alguns setores (como siderurgia e celulose e papel) e, por isso, não apresenta o poder de explicar o resultado global da indústria", aponta o Instituto. O Iedi não considera os resultados de setembro negativos, argumentando que todos os segmentos por categoria de uso mantiveram em setembro a trajetória de evolução e, no caso dos bens semi-duráveis e não-duráveis, "a indicação dos dados é que pode estar havendo um reinício de ativação do setor que, como se sabe, é o mais atrasado em termos do crescimento industrial brasileiro". Além disso, segundo observou o Iedi, o crescimento de 7,6% na produção ante igual mês do ano passado ocorreu sobre uma base de comparação elevada de setembro de 2003.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.