Iene cai ante dólar diante de preocupações com Ucrânia

As preocupações em relação à Ucrânia e os novos sinais de fraqueza da economia da China sustentaram a alta do iene frente ao dólar nesta sexta-feira durante a sessão asiática, enquanto o euro manteve a tendência de desvalorização após comentários do Banco Central Europeu (BCE), que sugerem uma maior flexibilização monetária na zona do euro.

AE, Agencia Estado

14 de março de 2014 | 06h01

O secretário de estado norte-americano, John Kerry, conversará com o ministro de relações exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, ainda hoje em uma última tentativa de estabelecer uma solução diplomática para a crise da Ucrânia. Um referendo marcado para este domingo pode estabelecer a separação da Crimeia do território ucraniano.

Ontem, Kerry sinalizou que os Estados Unidos e seus aliados europeus estão se preparando para tomar "medidas muito sérias" na segunda-feira se a Rússia fizer qualquer movimento para anexar a Crimeia ao seu território.

"As possíveis sanções econômicas contra a Rússia podem levar o país a vender seus ativos em dólares e euros, o que resultaria em um iene mais forte", disse Takahiro Iizuka, operador do Mizuho Trust.

A ameaça de sanções foi destacada pela chanceler da Alemanha, Angela Merkel, que emitiu um alerta para a Rússia.

Os comerciantes também citaram contínuas preocupações sobre as condições da economia da China após uma série de dados econômicos fracos.

As declarações do presidente do BCE, Mario Draghi, de que a autoridade monetária da região está se preparando para anunciar medidas adicionais para proteger a zona do euro do risco de deflação pressionaram o euro. O presidente do BCE afirmou que medidas serão tomadas se for necessário.

Às 4h47 (de Brasília), o dólar operava a 101,73 ienes, de 101,81 ienes no fim da tarde de ontem em Nova York. No mesmo momento, o euro operava a 141,00 ienes, de 141,22 ienes, e a US$ 1,3862, de US$ 1,3870. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
dólariene

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.