Iene forte leva empresas a pensar em tirar produção do Japão

Trata-se do mais recente sinal de que o aumento da moeda está pesando sobre a recuperação do país

Ligia Sanchez, da Agência Estado,

27 de agosto de 2010 | 09h28

Grandes empresas de manufaturas japonesas consultadas pelo Ministério de Economia, Indústria e Comércio do país afirmam que a força do iene está reduzindo seus lucros, levando algumas delas a considerar a possibilidade de levar suas unidades de produção para o exterior. Trata-se do mais recente sinal de que o aumento da moeda está pesando sobre a recuperação econômica do país, cuja economia sustenta-se em exportação.

Em pesquisa com 200 empresas de todos os setores e tamanhos publicada pelo ministério em agosto, 65% das grandes indústrias dizem que seus lucros foram prejudicados pela valorização do iene perante o dólar, bem acima do total de 16% verificado na pesquisa de maio. Quando o câmbio refere-se ao euro, 56% das companhias afirmam que seus lucros foram afetados, ante 35% em maio.

A pesquisa também mostrou que as indústrias estão buscando caminhos para mitigar o impacto econômico da moeda mais forte, com 40% dizendo que terão de mudar sua produção e centros de desenvolvimento para o exterior se o dólar continuar na faixa de 85 a 86 ienes. Às 8h36 (de Brasília), o dólar estava em 84,75 ienes, depois de ter caído para uma mínima de 15 anos, de 83,58, durante a semana.

Os resultados da pesquisa ecoam a recente insatisfação entre os grandes exportadores quanto ao impacto do iene forte, que reduz os lucros obtidos no exterior quando ingressam no Japão e também aumenta os custos relativos dos produtos fabricados no país.

Alguns dos consultados pela pesquisa também afirmaram que a força do iene combinada com o won sul-coreano desvalorizado está levando a uma grande desvantagem competitiva com a Coreia do Sul.

O ministério realizou a pesquisa entre 11 e 24 de agosto, por telefone e entrevistas presenciais. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.