IGP-10 aponta deflação de 0,03% em março

A inflação medida pelo Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10) - que é pesquisada entre o dia 11 do mês anterior e 10 do mês de referência - apontou deflação de 0,03% em março, contra alta de 0,17% em fevereiro. O dado, divulgado nesta quarta-feira pela Fundação Getúlio Vargas, ficou dentro das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pela Agência Estado, que esperavam um resultado entre -0,06% e 0,05%, com mediana de -0,02%. A FGV informou ainda que os três indicadores que compõem o IGP-10 de março tiveram queda em seus preços. O Índice de Preços por Atacado (IPA-10), que representa 60% do total do indicador, caiu 0,12% em março, ante aumento de 0,09% em fevereiro.Por sua vez, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC-10), que tem participação de 30%, registrou elevação de 0,13% em março, ante avanço de 0,31% em fevereiro. Já o Índice Nacional do Custo da Construção (INCC-10), com 10% de representatividade, apresentou aumento de 0,16% em março, ante alta de 0,35% em fevereiro. AtacadoOs preços dos produtos agrícolas no atacado aceleraram sua queda em março, para -1,44%, ante -0,23% em fevereiro. Porém, contrariando a tendência, os preços dos produtos industriais tiveram alta de 0,30%, ante aumento de 0,19% em fevereiro. Ao mesmo passo dos produtos industriais, o Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, apresentou alta de 1,04% em março, contra queda de -0,23% em fevereiro. Já os preços dos bens intermediários tiveram aumento de 0,03% em fevereiro, ante elevação de 0,21% em fevereiro. Os preços das matérias-primas brutas, por sua vez, apresentaram queda de -1,97% ante aumento de 0,26% em fevereiro. VarejoNo varejo, o Índice de Preços ao Consumidor - 10 (IPC-10) acumula elevações de 1,04% no ano. De acordo com a FGV, a desaceleração nos preços ao consumidor, que é sentida desde janeiro e teve continuidade em março, foi causada, basicamente, pela queda nos preços do grupo Transportes no período, (de 1,41% para 0,97%). De fevereiro para março, dos sete grupos que compõem o IPC-10, cinco registraram desaceleração de preços e até mesmo deflação. Além de Transportes, é o caso de Habitação; Vestuário; Educação, Leitura e Recreação; e Despesas Diversas. Os outros grupos registraram aceleração de preços no período, como Alimentação; e Saúde e Cuidados Pessoais. Preços no VarejoGrupoFevereiro (%)Março (%)Variação (ponto porcentual)Educação, Leitura e Recreação2,010,22-1,79Vestuário-1,19-2,17-0,98Transportes1,410,97-0,44Despesas Diversas0,32%0,25%-0,07Habitação0,090,05-0,04Saúde e Cuidados Pessoais 0,380,620,24Alimentação-0,230,020,79Por produtos, as altas de preço mais expressivas no varejo foram registradas açúcar refinado, com 12,39%; gasolina, com 1,36%; e álcool combustível, com 6,19%. Já as mais expressivas quedas de preço foram registradas em batata inglesa (-9,95%), mamão papaya (-14,37%) e cenoura (-13,04%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.