carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

IGP-DI sobe e atinge 0,41%

A inflação medida pelo Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) de agosto subiu 0,41% ante aumento de 0,17% em julho. A informação foi divulgada nesta quarta-feira pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). O resultado anunciado ficou dentro das previsões dos analistas do mercado financeiro ouvidos pela Agência Estado, que esperavam uma taxa entre 0,27% a 0,52%, e coincidiu com a mediana das expectativas (0,41%). A FGV informou ainda os resultados dos três indicadores que compõem o IGP-DI de agosto. O Índice de Preços por Atacado - Disponibilidade Interna (IPA-DI), que representa 60% do total do IGP-DI, teve alta de 0,53% em agosto, ante aumento de 0,17% em julho. Por sua vez, o Índice de Preços ao Consumidor - Disponibilidade Interna (IPC-DI), que tem participação de 30% no total do IGP-DI, apresentou elevação de 0,16%, ante aumento de 0,06% em julho. Já o Índice Nacional da Construção Civil - Disponibilidade Interna (INCC-DI), que representa 10% do IGP-DI, subiu 0,24% em agosto ante alta 0,47% em julho. Até agosto, o IGP-DI acumula altas de 1,87% no ano e de 2,78% em 12 meses. O período de coleta de preços para o IGP-DI de agosto foi do dia 1º a 31 do mês passado.Agosto X JulhoOs preços dos produtos agrícolas tiveram alta de 1,19% em agosto no atacado, no âmbito do IGP-DI, ante elevação de 0,45% em julho. A FGV esclareceu ainda que os preços dos produtos industriais no atacado subiram 0,34% em agosto, ante elevação de 0,08% em julho. Dentro do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços dos bens finais tiveram deflação de 0,09% em agosto ante alta de 0,58% em julho. Por sua vez, os preços dos bens intermediários registraram elevação de 0,58% em agosto ante queda de 0,21% em julho. Já os preços das matérias-primas brutas subiram 1,31% em agosto, ante elevação de 0,37% em julho. O núcleo do IPC-DI de agosto subiu 0,13%, ante alta de 0,11% apurada no núcleo anterior, de julho. O núcleo, usado para mensurar tendências e calculado a partir da exclusão das principais quedas e das mais expressivas altas de preço no varejo, acumula elevação de 3,17% em 12 meses até agosto. A FGV informou ainda que o índice de dispersão, que mede a proporção de itens com variação percentual positiva no núcleo, passou de 49,34% em julho para 52,63% em agosto. A taxa do núcleo já tinha sido adiantada pela FGV durante a divulgação, em 1º de setembro, do IPC-S de até 31 de agosto, que tem a mesma taxa do IPC-DI de agosto. Na época, o núcleo do IPC-S de até 31 de agosto foi calculado e, como todo o último IPC-S do mês sempre tem a mesma taxa do IPC-DI de igual mês de referência, as taxas dos núcleos são iguais. Agosto X agostoAté agosto, o IPA-DI acumula altas de 1,93% no ano e de 2,56% em 12 meses. O IGP-DI de agosto, sendo que o IPA-DI representa 60% do total do IGP-DI. De acordo com a FGV, até agosto, os preços dos produtos agrícolas acumulam quedas de 1,23% no ano e de 2,42% em 12 meses. Já os preços dos produtos industriais registram elevações de preços de 2,93% no ano e de 4,17% em 12 meses. Dentro do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços dos bens finais registram taxas acumuladas de 0,96% no ano e de 2,81% em 12 meses até agosto. Por sua vez, os preços dos bens intermediários acumulam altas de 3,37% no ano e de 4,21% em 12 meses. Já os preços das matérias-primas brutas registram elevação acumulada de 0,39% no ano, mas acumulam queda de 1,06% em 12 meses até agosto. Por produtos, as altas de preço mais expressivas, no atacado em agosto, foram registradas nos preços de bovinos (9,42%); laranja (19,88%) e limão (144,66%). Já as mais expressivas quedas de preço foram registradas nos preços de milho em grão (-6,70%); feijão em grão (-20,82%) e soja em grão (-1,76%). (Alessandra Saraiva)VarejoNo varejo, o IPC-DI acumula elevações de 0,84% no ano e de 2,40% em 12 meses até agosto. A aceleração na taxa do IPC-DI de julho para agosto, de 0,06% para 0,16%, foi impulsionada pelas elevações expressivas, no período, nos preços de Alimentação, de 0,14% para 0,70%; e Habitação, de -0,15% para 0,04%. Porém, dos sete grupos que compõem o indicador, apenas esses dois registraram aceleração ou fim de deflação de preços, no período. Os outros registraram desaceleração ou queda significativa de preços. É o caso de Vestuário, de 0,05% para -1,11%; Saúde e Cuidados Pessoais, de 0,15% para 0,09%; Educação, Leitura e Recreação, de 0,36% para 0,10%; Transportes, de 0,13% para 0,07%, e Despesas Diversas, de 0,05% para -0,10%. Por produtos, as altas de preço mais expressivas, no varejo em agosto, foram registradas em mamão da amazônia - papaya (54,55%); manga (29,16%); e limão (49,18%). Já as mais expressivas quedas de preço foram apuradas em batata-inglesa (-15,65%); cebola (-19,97%) e leite tipo longa vida (-2,35%).

Agencia Estado,

06 de setembro de 2006 | 08h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.