Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

IGP-DI sobe forte em agosto e deve ter lenta desaceleração

A inflação medida pelo IGP-DImais do que triplicou em agosto, e a pressão sobre os preçosprovocada pelos alimentos pode levar até três meses paradesaparecer, avaliou nesta quarta-feira a Fundação GetúlioVargas. O Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI)subiu 1,39 por cento no mês passado, depois de ter avançado0,37 por cento em julho. A alta, a mais intensa desde maio de2004, reforça as preocupações de analistas com o comportamentodos preços no país. "A taxa de agosto não representa um novo patamar, mas adesaceleração vai ser gradativa", afirmou Salomão Quadros,economista da FGV responsável pelos cálculos. "Ainda há muitapressão e a previsão é que o IGP permaneça pressionado por maisdois ou três meses", acrescentou. Essa perspectiva de volta gradual da inflação parapatamares mais controlados acabou forçando a FGV a rever suasprevisões para os índices gerais de preços (IGPs) em 2007. A expectativa agora é que esses indicadores acumulem aolongo do ano uma alta entre 4,0 e 4,5 por cento, e não maisalgo entre 3,5 e 4,0 por cento. De janeiro a agosto, o IGP-DI subiu 3,24 por cento. Nosúltimos 12 meses, a inflação apurada pelo indicador foi de 5,19por cento, a mais alta desde junho de 2005 neste tipo decomparação. COMIDA PESADA Mais uma vez, os produtos agrícolas e os alimentos foramresponsáveis pela surpresa desagradável. Cerca de 60 por centoda taxa do IGP-DI de agosto pode ser creditada a esses itens. Essa alta está relacionada à entressafra de alguns produtosno mercado interno, como o leite e a carne. Além disso, há umademanda maior no mercado internacional, aliada a um aumento nascotações das commodities, avaliou Quadros. "Você vai ter um jogo de força daqui para a frente. Osbovinos já começam a cair na ponta da série, mas, por outrolado, haverá efeitos da entressafra da cana-de-açúcar. Já hásinais do aumento do preço do leite nas áreas produtoras. Ainflação de 2007 é de alimentos", disse o economista. A pressão no atacado já chegou ao varejo e tende a seintensificar. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), um dostrês componentes do IGP-DI, subiu 0,42 por cento em agosto,depois de ter avançado 0,28 por cento no mês anterior. Esse repasse no aumento dos custos já pode ser identificadoem alguns produtos. No caso do leite, por exemplo, o custo noatacado subiu 51,32 por cento no ano. No varejo, o avanço foide 56,4 por cento. Os bovinos acumulam alta de 18,86 por cento de janeiro atéagosto no atacado. No varejo, o aumento no período foi de 13,60por cento. "O repasse das altas dos alimentos é quase que automático.Ninguém acumula muitos estoques. O consumidor tem que esperar aintensificação do repasse de preços nos próximos meses",alertou Quadros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.